Desafios do clima para os povos indígenas: vulnerabilidade socioecológica na região do Submédio da Bacia Hidrográfica do rio São Francisco/Brasil

Palabras clave: Tuxá People, Pankararue, climate changes, food security (en_US)
Palabras clave: Povo Tuxá, Pankararu, mudanças climáticas, segurança alimentar (pt_BR)

Resumen (pt_BR)

Estão previstas para as próximas décadas, por conta das mudanças climáticas e a desertificação, reduções significativas na produção de alimentos em diversas regiões do mundo. O grupo que irã sofrer maiores impactos prevê-se que serão as populações mais pobres, especialmente aquelas que moram em comunidades estabelecidas em pequenas parcelas de terra e são dependentes das condições climáticas. Este artigo mostra como o fator fundiário, a estiagem, a renda e o incremento da populacional indígena, colocam os povos indígenas Tuxá e Pankararu numa situação de vulnerabilidade. Mostra-se que o aumento da população indígena e os eventos extremos provocados pelas mudanças climáticas podem comprometer o futuro do cultivo das principais culturas agrícolas desses povos, entre estes do feijão, arroz, mandioca e o milho, diminuindo a possibilidade de garantir sua alimentação, união e reprodução social. A população indígena do Brasil vem mostrando um interessante aumento, no entanto paralelamente a este fato, as áreas de plantio vêm se reduzindo, o que obriga aos tomadores de decisões diminuir as problemáticas fundiárias e facilitar os processos de delimitação e reconhecimento de terras.

Resumen (en_US)

Due to climate change and desertification, significant reductions in food production in various regions of the world are expected in the coming decades. The most impacted will be the poorest populations, especially communities that have small plots of land and are dependent on climatic conditions. This article shows how the land factor, drought, income and the increase of the self-declared indigenous population place the Tuxá and Pankararu indigenous peoples in a vulnerable situation. It is shown that the increase of the indigenous population and the extreme events caused by climate change may compromise the future of the cultivation of the main agricultural crops of these peoples, among them beans, rice, cassava and maize, reducing the possibility of guaranteeing their food, social union and reproduction. Brazil's indigenous population has shown an interesting increase, but in parallel to this fact, the planting areas have been shrinking, which obliges decision makers to reduce land problems and facilitate land delimitation and recognition processes.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Referencias

CBHSF, A BACIA. Principais Características, Minas Gerais: Secretaria do Comitê Belo Horizonte – Minas Gerais., 2017.

Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas PBMC., Contribuição do Grupo de Trabalho 1 ao Primeiro Relatório de Avaliação Nacional do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas. Sumário Executivo GT1., Rio de Janeiro: PBMC, 2013.

A. M. e. G. J. R. BUAINAIN, “Desenvolvimento rural do semiárido brasileiro: transformações recentes, desafios e perspectivas” Confins (Paris), pp. v. 1, p. 1, 2013, https://doi.org/10.4000/confins.8633.

D. LINDOSO e S. RODRIGUES FILHO, “Vulnerabilidade e adaptação: bases teóricas e conceituais da pesquisa,” em O clima em transe: vulnerabilidade e adaptação da agricultura familia, Rio de Janeiro, Garamond, 2016, pp. 19-34.

L. GAIVIZZO, “Resilience to climate change in Fundo de Pasto Communities in the semi-arid region of Bahia” Sociedade e natureza, 2019.

J. W. CRESWELL, Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto, Porto Alegre: Artmed, 2010, https://doi.org/10.26512/les.v13i1.11610.

K. CHARMAZ, A construção da teoria fundamentada: guia prático para análise qualitativa., Porto Alegre: Artme, 2009.

C. Teddlie e A. Tashakkori Foundations of Mixed Methods Research: Integrating Quantitative and Qualitative Approaches in the Social and Behavioral Sciences, London: Sage, 2009.

A. D. MOURA e J. SHUKLA, “On the Dynamics of Droughts in Northeast Brazil: Observations, Theory and Numerical Experiments with a General Circulation Model” J Atmos , pp. Sci 38: 2653-2675., 1981. https://doi.org/10.1175/1520-0469(1981)038<2653:otdodi>2.0.co;2

O. DE CARVALHO, “As secas e os seus Impactos,” em A Questao da Agua no Nordeste, Brasilia, CGEE/ANA, 2012, p. 45–100.

D. A. WILHITE, SIVAKUMAR MVK e R. PULWARTY, “Managing drought risk in a changing climate: The role of national drought policy,” Weather and Climate Extremes, pp. 3: 4-13., 2014, https://doi.org/10.1016/j.wace.2014.01.002

J. A. MARENGO, R. R. TORRES e L. M. ALVES, “Drought in Northeast Brazil—past, present, and future” Theor Appl Climatol, pp. 1-12, 2016, https://doi.org/10.1007/s00704-016-1840-8.

J. MARENGO, A. P. Cunha e L. Alves, “A seca de 2012-15 no semiárido do Nordeste do Brasil no contexto histórico” Climanalise, pp. 04. 49-54, 2016.

J. A. MARENGO, L. M. ALVES, R. ALVALA, A. P. CUNHA, S. BRITO, O. MORAES, “Climatic characteristics of the 2010-2016 drought in the semiarid Northeast Brazil region” Anais da Academia Brasileira de Ciências, pp. (2 Suppl. 1): 1973-1985, 2018. https://doi.org/10.1590/0001-3765201720170206

T. T. MACHADO, J. T. DIAS e T. C. SILVA, “Evolução e avaliação das políticas públicas para a atenuação dos efeitos da seca no semiárido brasileiro” Gaia Scientia, p. v. 11, 2017. https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-1268.2017v11n2.31831

I. B. d. G. e. E. IBGE, “Os indígenas no Censo Demográfico 2010. Primeiras considerações com base no quesito cor ou raça” Documento digital, 2010.

R. PRADO, Compreender para Transformar. Tribos Indígenas Nordestinas, Teleiós, 2012.

D. RIBEIRO. Sobre o óbvio, Rio de Janeiro: Guanabara, 1986.

E. SILVA, “Confundidos com a massa da população: o esbulho das terras indígenas no Nordeste do século XIX” Revista do Arquivo Público Estadual de Pernambuco, pp. 17-29, 1996.

F. CRUZ, “ENTRE ÍNDIOS E SERTANEJOS: O POVO INDÍGENA TUXÁ E A RETÓRICA DESENVOLVIMENTISTA CHESFIANA EM ITAPARICA” Wamon, pp. V. 3, n. 1, 2018.

M. L. MELO, “Os agrestes” SUDENE, 1980.

R. D. B. SALOMÃO, “Etnicidade, territorialidade e ritual entre os Tuxá de Rodelas. Dissertação (Mestrado) em Antropologia Social,” Universidade Federal Fluminense, 2006.

J. OLIVEIRA, Somos Índios da Tribo Tuxá Nação Proká Pragaga do Arco e Flecha e Maracá Malacutinga Tuá Deus do Ar, Brasil: Tellus, 2013.

F. CRUZ, Quando a terra sair’: os índios tuxá de rodelas e a barragem de Itaparica: memórias do desterro, memórias da resistência. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social), Brasília: Universidade de Brasília, 2017.

R. GRÜNEWALD, “Toré e jurema: emblemas indígenas no nordeste do brasil” Ciência e Cultura , p. vol.60 no.4, 2008.

J. ARCANJO, Toré e Identidade Étnica: os pipipa da kambixuru (Indios da Serra Negra). Dissertação de mestrado visitada o 16,08,2019, Recife, 2003.

J. ARRUTI, O reencantamento do mundo: trama historica e Arranjos territoriais Pankaruru. Dissertação (mestrado) Programa de Pos-Graduação em Antropologia Social, Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1996.

M. V. FERRI, “Breves considerações acerca das atuais condições de vida do povo Pankararu” Revista de Estudos e Pesquisas, pp. v.4, n.1, p.109-129, 2007.

A. ZELLHUBER e R. SIQUEIRA, “Rio São Francisco em descaminho: degradação e revitalização,” Caderno CEAS, Salvador – Ba., 2016.

R. SANTOS e L. CARELLI, “Identificação de território indígena: uma reconstituição histórica e geopolítica do povo Tuxá (Rodelas - BA)” em Anais XVII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR , João Pessoa-PB, 2014.

REDAÇÃO, “Povo Pankararu: “A barbárie começou”; tribo indígena tem escola e posto de saúde incendiados,” 2018.

SALGUEIRO, “Incêndio atinge segunda escola indígena Pankararu no Sertão do estado Peritos da Polícia Federal fizeram levantamento no local. Comunidade suspeita de ato criminoso” SALGUEIRO, 2018.

IPCC , “Special Report on Climate Change, Desertification, Land Degradation, Sustainable Land Management, Food Security, and Greenhouse gas fluxes in Terrestrial Ecosystems Summary for Policymakers Approved Draft,” WMO/UNEP, 2019.

E. ASSAD e H. S. PINTO, Aquecimento Global e a nova Geografia da Produção agrícola no Brasil. Brasília, Embrapa, 2008.

H. M. Filho, C. Moraes, P. Bennati e R. d. A. Rodrigues, “Mudança do clima e os impactos na agricultura familiar no Norte e Nordeste do Brasil,” Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo (IPC-IG), Brasilia, 2016.

FAO e OPS, “América Latina e o Caribe. PANORAMA DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL. SISTEMAS ALIMENTARES SUSTENTÁVEIS PARA ACABAR COM A FOME E A MÁ NUTRIÇÃO,” FAO e OPS, Santiago, 2017.

FIRJAN, “Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal (IFDM),” Brasil, 2019. https://doi.org/10.4000/confins.26246

C. BERMANN, “Brasil: um país cheio de energia. Mas qual é o destino de toda essa energia?” Instituto Humanitas Unisinos (IHU), 2009.

A. O. SEVÁ FILHO, Tenotã-Mõ: alertas sobre as consequências dos projetos hidrelétricos no rio Xingu., Berkeley: IRN, 2005.

C. B. VAINER, “O conceito de atingido: uma revisão do debate e diretrizes” IPPUR/UFRJ, 2003.

COMISSÃO MUNDIAL DE BARRAGENS CMB, “Barragens e desenvolvimento: um novo modelo para tomadas de decisões,” Earthscan Publications, Londres, 2000.

CONSELHO DE DEFESA DOS DIREITOS DA PESSOA HUMANA CDDPH, “Comissão Especial Atingidos por Barragens,” CDDPH, Brasília, 2010.

IPEA, Metodologia para o diagnóstico social, econômico e cultural dos atingidos por barragens, Brasília, 2014, p. 49.

G. d. S. LUCIANO, O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje, Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade - SECAD em parceria com o Museu Nacional, Laboratório de Pesquisas em Etnicidade, Cultura e Desenvolvimento. 2006. https://doi.org/10.22456/1982-6524.5174

J. P. OLIVEIRA, “Uma etnologia dos 'índios misturados. Situação colonial, territorialização e fluxos culturais” Estudos de Antropología Social, pp. 47-77, 1998. https://doi.org/10.1590/s0104-93131998000100003

Instituto Socioambiental ISA, “Povos Indígenas no Brasil. O povo Pankararu,” 2017.

J. GOTTMANN, The Significance of Territory. Chalottesville, Virginia: University Press of Virginia, 1973.

J. GARCÍA, Antropología del Territorio, Madrid: Taller de Ediciones Josefina Betancor, 1976.

Folha de S.Paulo, “Em média, 15 pessoas morrem de desnutrição por dia no Brasil,” Folha de S.Paulo, S.Paulo, 2019.

MINISTÉRIO DE SAÚDE, “Óbitos p/Ocorrênc segundo Município Grupo CID-10: Desnutrição,” 2017.

Cómo citar
[1]
N. E. Dávalos, «Desafios do clima para os povos indígenas: vulnerabilidade socioecológica na região do Submédio da Bacia Hidrográfica do rio São Francisco/Brasil», Rev. vínculos, vol. 17, n.º 1, jun. 2020.
Publicado: 2020-06-25
Sección
Entorno Social

Artículos más leídos del mismo autor/a