Análise multitemporal do desmatamento na floresta nacional do bom futuro, Rondônia, Brasil

  • Valdir Moura
  • Ângelo Andrade Barancelli
  • Ranieli dos Anjos de Souza
  • Fernando Gomes de Souza
  • José Vagner Silva
  • Jerry Adriani Johann

Resumen (es_ES)

As políticas de assentamento impostas pelo governo, somadas à expansão das malhas rodoviárias, fomentaram o desmatamento na região amazônica. A criação de unidades de conservação foi uma das estratégias encontradas pelo governo brasileiro como forma de conter o avanço do desmatamento. Com base nisto, o presente trabalho tem como objetivo avaliar a dinâmica do desmatamento na Floresta Nacional do Bom Futuro a partir do ano de decreto desta unidade de conservação (1988), englobando os limites originais e a nova delimitação imposta pelo governo como forma de minimizar as pressões antrópicas advindas sobre esta unidade. As ocupações antrópicas mais intensas na unidade de conservação ocorreram a partir de 1997, tendo o auge do seu desflorestamento entre 2003 e 2006. Em 2009 as áreas desmatadas atingiam cerca 24,21% de toda a extensão da Flona, sendo destes 21,29% em áreas de preservação permanente (APP). O crescimento populacional, a expansão da agropecuária, a inexistência de um plano de manejo e o descaso do governo federal foram os principais fatores responsáveis pela descaracterização da Floresta Nacional do Bom Futuro.

Resumen (en_US)

The settlement policies imposed by the government, together with the expansion of road networks, have fostered deforestation in the Amazon region. The creation of conservation units was one of the strategies found by the Brazilian government as a way to contain the advance of deforestation. Based on this, the present work aims to evaluate the dynamics of deforestation in the Bom Futuro National Forest as of the decree year of this conservation unit (1988), encompassing the original boundaries and the new delimitation imposed by the government as a way to minimize the anthropic pressures on this unit. The most intense anthropic occupations in the conservation unit occurred in 1997, with the peak of deforestation between 2003 and 2006. In 2009, deforested areas accounted for approximately 24.21% of the entire area of Flona, of which 21.29% in areas of permanent preservation (APP). Population growth, agricultural expansion, lack of a management plan and neglect of the federal government were the main factors responsible for the depletion of the Bom Futuro National Forest.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Referencias

Araújo, E. & Barreto, P. 2011. Ameaças formais contra as Áreas Protegidas na Amazônia. Estado da Amazônia n.16. Belém: Imazon, 6p. http://bit.ly/cQvLma (27 Jul. 2018).
BRASIL. Decreto 96.188 de 21 de junho de 1988. Diário Oficial da União, 22 de jun. de 1988.
BRASIL. 2000. Lei Nº 9.985, de 18 de junho de 2000. Diário Oficial da União. p. 1- 6, 19 de jul. de 2000. BRASIL. 2010. Lei Nº 12.249, de 11 de junho de 2010. Diário Oficial da União. Seção 1 - 14/6/2010.
Dick, E.; Danieli, M. A.; Zanini, A. M. 2012. Gestão participativa em Unidades de Conservação: uma experiência na Mata Atlântica. Rio do Sul, SC: APREMAVI.
Ferreira, L.V.; Venticique, E.; de Almeida, S.S. 2005. O Desmatamento na Amazônia e a importância das áreas protegidas. Estudos Avançados, 19(53): 1-10.
Gomes, J. C. 2013. Relatório das ações para a efetividade de gestão das unidades de conservação denominadas Área de Proteção Ambiental e Floresta Estadual - APA/FES do Rio Pardo. Governo do estado de Rondônia. Secretaria do estado de desenvolvimento ambiental. Coordenadoria de unidades de conservação - CUC’s. Porto Velho, 606.
GTA. 2008. O Fim da Floresta? A Devastação das Unidades de Conservação e Terras Indígenas no estado de Rondônia. Grupo de Trabalho amazônico, 2008. IMAZON, Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia. 2005. Pecuária e Desafios para Conservação Ambiental na Amazônia. Disponível em: http://imazon.org.br/pecuaria-e-desafios-para-a-conservacao-ambiental-na-amazonia/ (30 Jul. 2018).
Margulis, S. 2001. Quem são os agentes do desmatamento na Amazônia e por que eles desmatam? Brasília: Banco Mundial.
Medeiros, R. 2003. A Proteção da Natureza: das Estratégias Internacionais e Nacionais às demandas Locais. Rio de Janeiro: UFRJ/PPG. 391p. Tese (Doutorado em Geografia).
Nascimento, C. P. O. 2010. Processo de Ocupação e Urbanização de Rondônia: Uma Análise das transformações sociais e espaciais. Revista de Geografia, p. 53–69.
Neto, I. A. 2009. Uso de Ferramentas de SIG e Sensoriamento Remoto para o monitoramento do desmatamento em Unidades de Conservação: Estudo de caso da Floresta Nacional do Bom Futuro - RO. 110 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Geografia) – Fundação Universidade Federal de Rondônia. Rondônia.
Nunes, D.D. et al. 1996. Gestão Ambiental e Rondônia (Políticas Públicas em Unidades de Conservação). Dissertação de Mestrado em Geografia Física. USP, São Paulo. 1996.
Pedlowski, M.A; Matricardi, E.A.T; Skole, D; Cameron, S.R; Chomentowski, W; Fernandes, L.C. 2005. Conservation units: a new deforestation frontier in the Amazonian state of Rondônia, Brazil. Environmental Conservation; 32(2): 149-155. Tourneau, F.M.L, Bursztyn, M. 2010. Assentamentos rurais na Amazônia: contradições entre a política agrária e a política ambiental. Ambiente & Sociedade; 13(1): 111-130.
Cómo citar
Moura, V., Andrade Barancelli, Ângelo, dos Anjos de Souza, R., Gomes de Souza, F., Vagner Silva, J., & Adriani Johann, J. (2019). Análise multitemporal do desmatamento na floresta nacional do bom futuro, Rondônia, Brasil. UD Y La geomática, (13). Recuperado a partir de https://revistas.udistrital.edu.co/index.php/UDGeo/article/view/15228
Sección
Artículo de investigación científica y tecnológica