Química com sinais: o ensino visual da química para alunos surdos por meio de website

Chemistry with signs: the teaching of chemistry for deaf students through website

Química con señales: la enseñanza visual de la química para alumnos sordos por medio de website

  • Luana Melka Vanderlei Leão Ferreira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), Campus Maracanaú, Brasil https://orcid.org/0000-0002-6133-3269
  • Maria Cleide da Silva Barroso Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), Campus Maracanaú, Brasil https://orcid.org/0000-0001-5577-9523
  • Caroline de Goes Sampaio Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), Campus Maracanaú, Brasil https://orcid.org/0000-0002-3642-234X
Palabras clave: teaching method, educational technology, non-verbal communication (en_US)
Palabras clave: método de enseñanza, tecnología educativa, comunicación no verbal (es_ES)
Palabras clave: método de ensino, tecnologia educativa, comunicação não verbal (pt_BR)

Resumen (pt_BR)

Há alguns anos no Brasil está acontecendo à integração de alunos com necessidades educativas especiais em escolas regulares, no entanto, as escolas e os professores não estavam preparados para esta mudança. O trabalho que ora se desenvolve tem por finalidade aplicar junto aos professores de química do ensino médio, um web site chamado Química com Sinais, que deverá favorecer o aprendizado dos alunos surdos, de maneira responsável e eficiente, permitindo que os mesmos, possam participar e aprender de forma efetiva os conteúdos apresentados pelo professor, atendendo de forma hábil as particularidades no aprendizado do educando surdo, tornando positivo o uso dos visuais. Esta pesquisa tem caráter qualitativo e inicialmente dialogamos com a diretora de uma escola de ensino médio e o intérprete sobre as condições de aprendizado da aluna surda regularmente matriculada em uma escola estadual. Seguidamente, foi aplicado um questionário para compreender as dificuldades encontradas pela aluna, iniciando, posteriormente a construção do website — Química com Sinais. Como o foco deste método é dar sentido as expressões dos participantes estudados, um segundo questionário foi aplicado a fim de identificar o nível de aprendizado após o uso do site. Esta pesquisa, possibilitou a elaboração, desenvolvimento e verificação do website — Química com Sinais, averiguando a sua eficiência e a capacidade de elevar a compreensão dos alunos surdos através da utilização de recursos visuais aliados ao mundo virtual e ao aprimoramento do ensino de química. Detectou-se que explorar o visual, além de ser essencial para a comunidade surda é também eficiente para a retenção de aprendizado do aluno, seja ele surdo ou ouvinte. Considerando que a presente pesquisa indica a promissora efetividade do site como recurso facilitador da aprendizagem do surdo e, pensando neste sentido, a adoção deste recurso motiva os alunos surdos a aprenderem química de forma lúdica e eficaz.

Resumen (en_US)

A few years ago in Brazil, the integration of students with special needs in regular schools has been happening, however, schools and teachers were not prepared for this change. The work now underway is intended to apply to high school chemistry teachers a website called Signal Chemistry, which should encourage deaf students to learn responsibly and efficiently, allowing them to participate and effectively learn the contents presented by the teacher, skillfully attending to the particularities in the learning of the deaf student, making the use of visuals positive. This research is qualitative and initially we dialogued with the principal of a high school and the interpreter about the learning conditions of the deaf student regularly enrolled in a state school. Then a questionnaire was applied to understand the difficulties encountered by the student, starting later the construction of the website Chemistry with Signals. As the focus of this method is to make sense of the participants' expressions, a second questionnaire was applied in order to identify the learning level after using the site. This research enabled the elaboration, development and verification of the website Chemistry with Signals, ascertaining its efficiency and the ability to increase the understanding of deaf students through the use of visual resources combined with the virtual world and the improvement of chemistry teaching. It has been found that exploring the visual, as well as being essential for the deaf community, is also effective for retaining student learning, whether deaf or hearing. Considering that this research indicates the promising effectiveness of the site as a facilitating resource for deaf learning and, thinking in this sense, the adoption of this resource motivates deaf students to learn chemistry in a playful and effective way.

Resumen (es_ES)

En los últimos años, en Brasil, se viene dando la integración de estudiantes con necesidades especiales en las escuelas regulares; sin embargo, las escuelas y los maestros no estaban preparados para este cambio. Este trabajo está destinado a implementar en los maestros de química de la escuela secundaria un sitio web llamado “Química con señales”, que debe estimular a los estudiantes sordos a aprender de manera responsable y eficiente, permitiéndoles participar y aprender de manera efectiva en los contenidos presentados por el maestro, atendiendo hábilmente a las particularidades en el aprendizaje de esta población, para que sea positivo el uso de imagenes. Esta investigación es cualitativa; inicialmente, dialogamos con el director de una escuela secundaria y el intérprete sobre las condiciones de aprendizaje del estudiante sordo inscrito regularmente en esta escuela estatal. Luego se aplicó un cuestionario para
comprender las dificultades encontradas por el estudiante; enseguida, se inició con la construcción de dicho sitio web. Como el enfoque de este método es dar sentido a las expresiones de los participantes, se recurrió a un segundo cuestionario para identificar el nivel de aprendizaje después de interactuar con el sitio. Esta investigación permitió la elaboración, desarrollo y verificación del sitio web “Química con señales”, y se determinó su eficiencia y capacidad de aumentar la comprensión de los estudiantes sordos mediante recursos visuales combinados con el mundo virtual, lo cual mejora la enseñanza de la química. Se ha descubierto que explorar lo visual, además de ser esencial para la comunidad sorda, también es eficaz para fortalecer el aprendizaje de cualquier estudiante, ya sea que tenga esta discapacidad o no. Encontramos
que el uso de este sitio web facilita el aprendizaje y motiva a los estudiantes sordos a aprender química de una manera lúdica y efectiva.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Luana Melka Vanderlei Leão Ferreira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), Campus Maracanaú, Brasil

Graduada em Licenciatura em Química, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), Campus Maracanaú, Brasil. Professora da rede particular (CE).

Maria Cleide da Silva Barroso, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), Campus Maracanaú, Brasil

Doutora em Educação Brasileira. Mestre em Educação. Graduada em Pedagogia. Professora permanente do Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática PGECM/IFCE (acadêmico). Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), Campus Maracanaú, Brasil.

Caroline de Goes Sampaio, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), Campus Maracanaú, Brasil

Doutora em Química, habilitação em Química Orgânica. Mestre em Química. Licenciada em Química. Professora permanente do Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática PGECM/IFCE (acadêmico). Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), Campus Maracanaú, Brasil.

Referencias

AQUINO, J. G. Diferenças e preconceitos na escola: alternativas teóricas e práticas. 2a. ed. Summus. São Paulo: Brasil. 1998.

BARATA, A.L.K; PROENÇA, M.C.G. Métodos e técnicas de aprendizagem acadêmica utilizados com pessoas porta¬doras de deficiência auditiva: uma análise teórica. 62 f. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade da Amazônia, Belém. 2001.

BRASIL. Anatel. Portaria 958, 26 de setembro de 2014. Aprova o Procedimento de Fiscalização do cumprimento das obrigações acerca do conteúdo veiculado ou transmitido por estações dos Serviços de Radiodifusão e de Telecomunicações. Agencia Nacional de Telecomunicações, 26 de setembro de 2014. Disponível em: <http://www.anatel.gov.br/legislacao/procedimentos-de-fiscalizacao/811-portaria 958>. Acesso em: 16 Janeiro 2018.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC). Secretaria da Educação Média e Tecnologia (SEMTEC). Parâmetros curriculares nacionais ensino médio: ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. V. 3. Brasília, 1999.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC). Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: <http://www.cp2.g12.br/alunos/leis/lei_diretrizes_bases.htm>. Acesso em 20 de fevereiro de 2018.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação. Tradução Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Porto Editora. Porto: Portugal. 1994.

CAMARGO, E. P. de et al. Alunos com deficiência visual em um curso de química: fatores atitudinais como dificuldades educacionais, Florianópolis. Anais... Abrapec. São Paulo: Brasil. 2007. pp. 1-15.

CAMPELLO, A. R. S. Aspectos da visualidade na educação dos surdos. 245f. Tese. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 2008.

CAPOVILLA, F.C.; RAPHAEL, W.D. Dicionário enciclopédico ilustrado trilíngue da língua de sinais brasileira. 2a. ed. V. 1. EDUSP. São Paulo: Brasil. 2001.

CARVALHO, P. V. de. História dos Surdos no mundo. Editora Surd’Universo. Lisboa: Portugal. 2007.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. 3a. ed. Editorial UNIJUI. Unijuí: Brasil. 2003.

DECLARAÇÃO DE SALAMANCA. Sobre princípios, políticas e práticas na área das necessidades educativas especiais. Salamanca: Espanha. 1994.

DICIO - DICIONÁRIO ONLINE DE PORTUGUÊS. Inclusão. Disponível em: <https://www.dicio.com.br/inclusao/>. Acesso em: 12 Set. 2017.

DORZIAT, A. Educação de surdos no ensino regular: inclusão ou segregação? Cadernos de Educação Especial, Santa Maria/RS, v. 2, n. 24, pp. 77-85. 2004.

FERNANDES, J. M.; REIS, I. F. Estratégia Didática Inclusiva a Alunos Surdos para o Ensino dos Conceitos de Balanceamento de Equações Químicas e de Estequiometria para o Ensino Médio. Química nova na escola, São Paulo, v. 39, n. 2, pp. 186-194, maio. 2017. https://doi.org/10.21577/0104-8899.20160075

GESSER, A. O ouvinte e a surdez: sobre ensinar e aprender a Libras. Parábola Editorial. São Paulo: Brasil. 2012.

GUARINELLO, A. C. O papel do outro na escrita de sujeitos surdos. Plexus. São Paulo: Brasil. 2007.

GUGEL, M. A. A pessoa com deficiência e sua relação com a história da humanidade. Ampid (associação Nacional dos Membros do ministério Público de defesa dos Direitos dos idosos e Pessoas com Deficiência), p. 4, 2015. Disponível em <http://www.ampid.org.br/ampid/Artigos/PD_Historia.php>. Acesso em: 21/10/2017

KENSKI, V. M. Tecnologias e ensino presencial e a distância. 2a. ed. (Série Prática Pedagógica). Papirus. Campinas: Brasil. 2004.

KRASILCHIK, M. Prática de Ensino de Biologia. 6a. ed. Edusp. São Paulo: Brasil. 2008.

LÚRIA, A. Pensamento e linguagem – as últimas conferências de Lúria. Artes Médicas. Porto Alegre: Brasil. 1986.

MORAN, J. M. A integração das tecnologias na educação. 2004. Disponivel em: <http://www.eca.usp.br/prof/moran/site/textos/tecnologias_eduacacao/integracao.pdf>. Acesso em: 12 de Janeiro de 2018.

MOREIRA, P. P. A maior privação causada pela surdez: A conexão humana. Blog Crônicas da Surdez, 22 de março de 2017. Disponível em: <http://cronicasdasurdez.com/privacao-causada-surdez/>. Acesso em: 28 de Janeiro de 2018.

MOREJÓN, K. O acesso e a acessibilidade de pessoas com deficiência no ensino superior público no estado do Rio Grande do Sul. 252p. (Tese de doutorado). Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2009.

MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar e reformar, reformar o pensamento. Bertrand Brasil. Rio de Janeiro: Brasil. 2000.

MOURA, M. C. D. O SURDO. Caminhos para uma Nova Identidade. RevinteR Ltda. Rio de Janeiro: Brasil. 2000.

OLIVEIRA, L. A. Fundamentos Históricos, Biológicos e Legais da Surdez. IESDE. Curitiba: Brasil. 2012.

OLIVEIRA, M. H. C. de. Metodologia da Linguagem. 7a. ed. Saraiva. São Paulo: Brasil. 2007.

OLIVEIRA, W.D.; BENITE, A.M.C. Aulas de ciências para surdos: estudos sobre a produção do discurso de intérpretes de LIBRAS e professores de ciências. Ciênc. Educ, Bauru, Belo Horizonte, v. 21, pp. 457-472., 2015. https://doi.org/10.1590/1516-731320150020012

PEREIRA, M. C. da C.; CHOI, D. [et al.]. LIBRAS: conhecimento além dos sinais. Pearson Prentice Hall. São Paulo: Brasil. 2011.

RAMOS, R. LIBRAS: A Língua de Sinais dos Surdos Brasileiros. Editpra Arara Azul. Petrópolis: Brasil. 2004. Disponivel em: <http://www.editora-arara-azul.com.br/pdf/artigo2.pdf>. Acesso em: 27 Dezembro 2017.

SACKS, O. Vendo Vozes. Uma Viagem ao Mundo dos Surdos. Schwarcz. São Paulo: Brasil. 2010.

SILVA, A. da. Atendimento educacional especializado. MEC/SEESP. São Paulo: Brasil. 2007.

STAINBACK, S.; STAINBACK, W. Inclusão: um guia para educadores. Artmed. Porto Alegre: Brasil. 1999. 456p.

TENENTE, L. Total de alunos com deficiência em escolas comuns cresce 6 vezes em 10 anos. Globo.com. 22/07/2016. Disponível em: <https://g1.globo.com/educacao/noticia/total-de-alunos-especiais-em-escolas-comuns-cresce-6-vezes-em-10-anos.ghtml> . Acesso em: 20 de Agosto de 2016.

UNESCO. Declaração de Salamanca: sobre princípios, políticas e práticas na área das necessidades educativas especiais. Salamanca. 1994. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf>. Acesso em: 04 de Fevereiro de 2018.

VALENTE, J. A. O computador na sociedade do conhecimento. Unicamp/Nied. São Paulo: Brasil. 1999.

VILLANI, C.E.P.; NASCIMENTO, S.S. A argumentação e o Ensino de Ciências. Investigações em Ensino de Ciências. Química Nova na Escola, São Paulo, v. 8, n. 3, pp. 187-209. 2003.

VYGOTSKY, L.S. Pensamento e linguagem. Trad. CAMARGO, J.L. Editora Martins Fontes. São Paulo: Brasil. 2005.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. Martins Fontes. São Paulo: Brasil. 1989.

XAVIER. Os Professores Frente às novas Tecnologias Educacionais. 2005. Disponível em <http://www.seduc.mt.gov.br/Paginas/O-professor-frente-%C3%A0s-novas-tecnologias-de informa%C3%A7%C3%A3o-e-comunica%C3%A7%C3%A3o.aspx>. Acesso em: 29 de Setembro de 2016.

Cómo citar
Leão Ferreira, L. M. V., da Silva Barroso, M. C., & de Goes Sampaio, C. (2020). Química con señales: la enseñanza visual de la química para alumnos sordos por medio de website. Góndola, enseñanza Y Aprendizaje De Las Ciencias, 15(3), 531-546. https://doi.org/10.14483/23464712.13778
Publicado: 2020-09-01