O pluralismo metodológico e o desenvolvimento da argumentação científica no ensino de física

Methodological pluralism and the development of scientific argumentation in physics teaching

El pluralismo metodológico y el desarrollo de la argumentación científica en la enseñanza de la física

Palabras clave: Teaching and training, Language sciences, Physics teaching (en_US)
Palabras clave: enseñanza y formación, ciencias del linguaje, enseñanza de la física (es_ES)
Palabras clave: ensino e formação, ciências da linguagem, ensino de física (pt_BR)

Resumen (pt_BR)

Investigamos o uso do pluralismo metodológico nas aulas de Física para o aprimoramento da argumentação científica dos alunos, do Ensino Médio em uma escola pública do interior do estado de São Paulo. A pesquisa foi realizada durante um semestre de trabalho em sala de aula com metodologias de ensino variadas: atividades experimentais e de demonstração, atividades com o uso das tecnologias de informação e comunicação e projetos como estratégia de resolução de problema. As argumentações dos alunos foram coletadas por meio de entrevistas em grupos focais e também por meio de apresentações de projetos. A análise das argumentações foi realizada de acordo com os elementos da superestrutura propostos no padrão de Toulmin. A partir da análise dos dados foi possível observar uma evolução na qualidade da argumentação apresentada pelos alunos que, inicialmente, apresentou poucos elementos característicos, mas, ao longo do processo, foi enriquecendo-se de elementos de maior nível argumentativo. Portanto, observou-se indícios de que o uso do pluralismo metodológico em sala de aula colabora com o desenvolvimento da argumentação científica ao longo do processo de ensino e aprendizagem de física.

Resumen (es_ES)

Investigamos el uso del pluralismo metodológico en las clases de física para el mejoramiento de la argumentación científica de los alumnos, de educación media, en una escuela pública del interior del estado de São Paulo. La pesquisa fue realizada durante un semestre de trabajo, utilizando variadas metodologías de enseñanza: actividades experimentales y de demostración, actividades mediante tecnologías de información y comunicación y proyectos como estrategia de resolución de problemas. Las argumentaciones presentadas fueron recolectadas por medio de entrevistas en grupos focales y también por medio de presentación de proyectos. Realizamos el análisis de las argumentaciones de acuerdo con los elementos de la superestructura propuesta en el patrón de Toulmin. A partir del análisis de los datos se observó evolución en la calidad de la argumentación presentada por los alumnos que, inicialmente, evidenció pocos elementos característicos del patrón Toulmin, pero, a lo largo del proceso, se enriqueció de elementos de mayor nivel argumentativo. Por tanto, identificamos indicios de que el uso del pluralismo metodológico en el aula contribuye con el desarrollo de la argumentación científica a lo largo del proceso de enseñanza y aprendizaje de la física.

Resumen (en_US)

We studied the use of methodological pluralism in physics classes for the improvement of secondary school students’ scientific argumentation, in the heartland of São Paulo state. The research was carried out during a semester of work, using various teaching methodologies: experimental and demonstration activities, as well as activities using information and communication technologies and projects as problem-solving strategies. The argumentations developed were collected through interviews in focus groups and also through the presentation of projects. We analysed the arguments according to the elements of the superstructure proposed in the Toulmin pattern. The data analysis revealed evidence of an evolution in the argumentation quality of the students, who initially demonstrated few characteristic elements of the Toulmin pattern but, throughout the process, integrated aspects of a higher argumentative level. Therefore, we showed that the use of methodological pluralism in the classroom contributes to the development of scientific argumentation throughout the teaching and learning process of physics.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Idmaura Calderaro Martins Galvão, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências, campus de Bauru, Brasil

Doutoranda em Educação para a Ciência pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências, campus de Bauru, Brasil.

Isabel Cristina de Castro Monteiro, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Brasil

Doutora em Educação para a Ciência. Professor assistente doutor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Departamento de Física e Química e credenciada no Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência (UNESP), campus de Bauru, Brasil.

Marco Aurélio Alvarenga Monteiro, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Brasil

Doutor em Educação para a Ciência. Professor Livre-Docente da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho e do Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência (UNESP), Brasil.

Referencias

AZEVEDO, M.C.P.S. Ensino por investigação: problematizando as atividades em sala de aula. In: CARVALHO, A.M.P. (Org.). Ensino de ciências: unindo a pesquisa e a prática. Pioneira Thomson Learning. São Paulo, SP: Brasil. 2004. pp. 19-33.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto Editora. Porto: Portugal, 1982.

BONADIMAM, H.; NONENMACHER, S.E.B. O gostar e o aprender no ensino de física: uma proposta metodológica. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v. 24, n. 2, pp. 194-223, ago. 2007. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/1087>. Acesso em 29 dez. 2018.

BRITO, L.O.; FIREMAN, E.C. Ensino de ciências por investigação: uma estratégia pedagógica para promoção da alfabetização científica nos primeiros anos do ensino fundamental. Revista Ensaio, Belo Horizonte, v. 18, n. 1, pp. 123-146, jan-abr. 2016. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/1983-21172016180107>. Acesso em 29 de dez.2018. https://doi.org/10.1590/1983-21172016180107

CAPECCHI, M.C.V.M.; CARVALHO, A.M.P. Argumentação em uma aula de conhecimento físico com crianças na faixa de oito a dez anos. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 5, n. 3, pp. 171-189. 2000. Disponível em: <https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/592/383>. Acesso em 29 de dez.2018.

CARVALHO, A.M.P. As práticas experimentais no ensino de Física. In: CARVALHO, A.M.P. et al. Ensino de Física. Cengage. São Paulo, SP: Brasil. 2011. pp. 53-78.

COSTA, A. Desenvolver a capacidade de argumentação dos estudantes: um objetivo pedagógico fundamental. Revista Iberoamericana de Educación, Madrid, v. 46, n. 5. 2008.

DRIVER, R.; NEWTON, P.; OSBORNE, J. Establishing the norms of scientific argumentation in classrooms. Science Education, Nueva York, v. 84, n. 3, pp. 287-312. 2000. https://doi.org/10.1002/(SICI)1098-237X(200005)84:3<287::AID-SCE1>3.0.CO;2-A

FERRAZ, A. T.; SASSERON, L. H. Espaço interativo de argumentação colaborativa: condições criadas pelo professor para promover argumentação em aulas investigativas. Ensaio - Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v.19, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/epec/v19/1983-2117-epec-19-e2658.pdf. Acesso em: 09 dez. 2017. https://doi.org/10.1590/1983-21172017190117

GALVÃO, I. C. M. O pluralismo metodológico no ensino de física e o aprimoramento da argumentação científica dos alunos. 2015. 191 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) - Escola de Engenharia, Universidade de São Paulo, Lorena, 2016.

GONDIM, S. M. G. Grupos focais como técnica de investigação qualitativa: desafios metodológicos. Paidéia, Ribeirão Preto, v. 12, n. 24, pp. 149-161. 2003. https://doi.org/10.1590/S0103-863X2002000300004

JIMÉNEZ-ALEIXANDRE, M. P.; BROCOS, P. Desafios metodológicos na pesquisa da argumentação em ensino de ciências. Revista Ensaio, Belo Horizonte, v. 17, n. especial, pp. 139-159. 2015. https://doi.org/10.1590/1983-2117201517s08

LABURÚ, C.A.; ARRUDA, S.M.; NARDI, R. Pluralismo metodológico no ensino de Ciências. Ciência & Educação, Bauru, v. 9, n. 2, pp. 247-260. 2003. https://doi.org/10.1590/S1516-73132003000200007

LARMER, J.; ROSS, D.; MERGENDOLLER, J.R. Project Based Learning (PBL). Buck Institute For Education .California. 2009.

LEITE, L.; AFONSO. A. Aprendizagem Baseada na Resolução de Problemas. Características, organização e supervisão. Boletin das Ciências, Santiago de Compostela, v. 48, pp. 253-260. 2001.

LEITE, L.; ESTEVES, E. Ensino orientado para a aprendizagem baseada na resolução de problemas na Licenciatura em Ensino de Física e Química. In: B. SILVA; L. ALMEIDA (Eds.). Actas do Congresso Galaico-Português de Psico-Pedagogia. Universidade do Minho, CD-ROM. Braga. 2005. pp.1751-1768.

MARTINHO, T.; POMBO, L. Potencialidades das TIC no ensino das Ciências Naturais: um estudo de caso. Enseñanza de las Ciências, Espanha, v. 8, n. 2, pp. 527-538. 2009.

MEDEIROS, A.; MEDEIROS, C. F. Possibilidades e Limitações das Simulações Computacionais no Ensino da Física. Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, v. 24, n. 2, 2002. https://doi.org/10.1590/S0102-47442002000200002

MENDONÇA, P.C.C.; JUSTI, R.S. (2013). Ensino-Aprendizagem de Ciências e Argumentação: Discussões e Questões Atuais. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 13, n. 1, pp. 187-216. 2013. Disponível em: <https://seer.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/2461/1861>. Acesso em 29 dez.2018.

MONTEIRO, M.A.A. Interações dialógicas em aulas de ciências nas séries iniciais: um estudo do discurso do professor e as argumentações construídas pelos alunos. 204f. (Dissertação de Metrado em Educação para a Ciência). Faculdade de Ciências da Universidade Estadual Paulista, Bauru. 2002.

MONTEIRO, I.C.C.; GASPAR, A. Atividades experimentais de demonstração em sala de aula: uma análise segundo o referencial da teoria de Vigotski. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 10, n. 2, pp. 227-254. 2005. Disponível em: <https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/518>. Acesso em 29 dez. 2018.

MONTEIRO, M.A.A.; GERMANO. J.S.E.; MONTEIRO, I.C.C.A. A utilização de recursos multimídia em aulas de física a partir do referencial teórico de Vigotski. In: XI ENCONTRO DE PESQUISA EM ENSINO DE FÍSICA. Curitiba, PR. 2008.

PEDROSA, M.A.; JOÃO, P.A. Aprendizagem Baseada na Resolução de Problemas na Educação em Ciências para a Sustentabilidade. In: LEITE, L. et al. ENCONTRO SOBRE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS ATRAVÉS DA APRENDIZAGEM BASEADA NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS. ATAS. Universidade do Minho. Braga. 2013.

PINTO, I.L.G. O progresso de Ciência e o Anarquismo Epistemológico de Karl Paul Feyerabend. 97f. (Dissertação de Mestrado em Filosofia) - PUC-Rio, Rio de Janeiro. 2007.

REZENDE, F. As novas tecnologias na prática pedagógica sob a perspectiva construtivista. Ensaio - Pesquisa em Educação Ciências, Belo Horizonte, v. 2, n. 1, pp. 1-18. 2002. https://doi.org/10.1590/1983-21172000020106

SANTOS, A.C.S.P.T. As TIC e o Desenvolvimento de Competências para Aprender a Aprender: um estudo de caso de avaliação do impacte das TIC na adopção de métodos de trabalho efectivos no 1º Ciclo EB. (Dissertação de Mestrado). Universidade de Aveiro. Aveiro. 2007.

SARDÀ, A.J.; SANMARTÍ, N.P. Enseñar a argumentar científicamente: un reto de las clases de ciencias. Enseñanza de las Ciencias, Barcelona, v. 18, n. 3, pp. 405-22. 2000.

SASSERON, L.H.; CARVALHO, A.M.P. Construindo argumentação na sala de aula: a presença do ciclo argumentativo, os indicadores de alfabetização científica e o padrão de Toulmin. Ciência & Educação, v. 17, n. 1, pp. 97-114. 2011. https://doi.org/10.1590/S1516-73132011000100007

SCARPA, D. L. O papel da Argumentação no Ensino de Ciências: lições de um workshop. Revista Ensaio, Belo Horizonte, v. 17, n. especial, pp. 15-30. 2015. https://doi.org/10.1590/1983-2117201517s02

VILLANI, C.E.P.; NASCIMENTO, S.S. A argumentação e o ensino de ciências: uma atividade experimental no laboratório didático de física do ensino médio. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 8, n. 3, pp. 187-209. 2003.

TOULMIN, S.E. Os usos do argumento. 2. ed. Martins Fontes. São Paulo: Brasil. 2006.

Cómo citar
Martins Galvão, I. C., de Castro Monteiro, I. C., & Alvarenga Monteiro, M. A. (2019). El pluralismo metodológico y el desarrollo de la argumentación científica en la enseñanza de la física. Góndola, enseñanza Y Aprendizaje De Las Ciencias, 15(1), 135-151. https://doi.org/10.14483/23464712.14324
Publicado: 2019-12-26
Sección
ARTÍCULOS