Teoria das metas de realização em sala de aula e as possíveis influências nos padrões motivacionais para a aprendizagem da química em duas turmas do ensino médio

Achievement goals in the classroom and their possible influence on motivational patterns for chemistry learning in two Brazilian high schools

  • Denilson Mendes de Oliveira Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
  • Vinícius Catão Universidade Federal de Viçosa
Palabras clave: motivation, chemistry learning, goal theory, classroom structures (en_US)
Palabras clave: motivação, aprendizagem da química, teoria das metas, estruturas da sala de aula (pt_BR)

Resumen (pt_BR)

Estruturas da sala de aula constituem aspectos da motivação para aprender que podem ser facilmente manipulados pelos professores durante o processo de mediação do conhecimento científico, favorecendo o engajamento dos estudantes nas aulas. A organização das atividades escolares, a avaliação e o desenvolvimento da autonomia são alguns exemplos. Dois tipos de metas podem sobressair em sala de aula devido às diferentes estratégias instrucionais utilizadas em cada uma delas: as metas de performance e as metas de domínio. Nesse contexto, os objetivos deste trabalho foram comparar as estratégias instrucionais de dois professores de Química do Ensino Médio (Professor A e Professor B), em duas escolas públicas localizadas na cidade de Viçosa-MG (Brasil), e inferir os possíveis padrões motivacionais presentes entre os estudantes. A comparação foi baseada na teoria das metas de realização, organizada dentro das três estruturas da sala de aula mencionadas. A coleta dos dados foi feita por meio de notas de campo provenientes da observação participante em duas aulas de Química e entrevistas semiestruturadas com os professores. Após a análise dos dados, concluiu-se que o Professor A utilizou estratégias mais consistentes com as metas de domínio, enquanto o Professor B utilizou estratégias instrucionais consistentes com os dois tipos de metas. Assim, é possível inferir que a utilização de diferentes estratégias instrucionais pode indicar visão mais ampla sobre o processo de aprendizagem da Química. Isso porque o professor tem um importante papel na orquestração das estruturas de sala de aula, sendo o responsável por articular estratégias diferenciadas que favoreçam o processo de construção e mediação do conhecimento científico.

Resumen (en_US)

Classroom structures constitute motivational aspects to learn, which can be easily manipulated by teachers during mediation of scientific knowledge to ensure students’ engagement. Organization of learning activities, evaluation and autonomy are some examples of such structures. Two types of goals may be developed in classrooms due to different instructional strategies: performance goals and mastery goals. This work’s objectives were to compare instructional strategies of two high school chemistry teachers (Teacher A and Teacher B) from two public schools located in Viçosa (Brazil) and infer possible motivational patterns found among students. The comparison was based on the achievement goal theory and organized within the three classroom structures. Data were gathered through field notes from participant observation in two Chemistry classes and semi-structured interviews with both of the teachers. It was verified that Teacher A utilized strategies aligned with mastery goals, while Teacher B utilized instructional strategies that were consistent with the two types of goals. It is concluded that this can influence student engagement during Chemistry classes, considering that teachers have an important role in the orchestration of classroom structures, articulating instructional strategies that favor learning and mediation of the scientific knowledge.

 

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Denilson Mendes de Oliveira, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
Mestrando em Química Analítica pelo Instituto de Química da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).
Vinícius Catão, Universidade Federal de Viçosa
Graduado em Química (Licenciatura), pela Universidade Federal de Minas Gerais (2004), especialista em Educação Inclusiva, pela Escola de Governo da Fundação João Pinheiro (2007), mestre em Educação (Ensino de Ciências), pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (2007) e doutor em Educação pela mesma instituição (2014). Professor Adjunto no Departamento de Química da Universidade Federal de Viçosa. Possui experiência profissional com temas relacionados ao Ensino de Ciências, Espaços não formais de educação, Formação Docente e Diversidade na Escola, tendo feito trabalhos voltadas à Educação Socioambiental, Educação e Cidadania, Metodologias de Ensino e de Pesquisa, História da Ciência aplicada ao ensino, Alfabetização Científica e Educação Inclusiva (Surdos). Atualmente está a frente da Diretoria de Programas Especiais, órgão vinculado à Pró-Reitoria de Ensino da Universidade Federal de Viçosa.

Referencias

ADLER, P. A.; ADLER, P. Observational Techniques. In: DEZIN, N. e LINCOLN, Y. S. (eds.). Handbook of Qualitative Research. Sage Publications. California: EE.UU, 1994. pp. 377-392.

ALVES-MAZZOTTI, A. J. O Método nas Ciências Sociais. In: ALVES-MAZZOTTI, A. J. e GEWANDSZNAJDER, F. (eds.). O método nas Ciências sociais e naturais: Pesquisa quantitativa e qualitativa. 2 ed. Pioneira. São Paulo: Brasil, 2001. 109-187.

AMES, C. Achievement Attributions and Self-Instructions under Competitive and Individualistic Goal Structures. Journal of Educational Psychology, v. 76, n. 3, pp. 478-487. 1984. https://doi.org/10.1037/0022-0663.76.3.478

AMES, C. Classrooms: Goals, Structures, and Student Motivation. Journal of Educational Psychology, v. 84, n. 3, pp. 261-271. 1992.https://doi.org/10.1037/0022-0663.84.3.261

AMES, C.; ARCHER, J. Achievement Goals in the Classroom: Students' Learning Strategies and Motivation Processes. Journal of Educational Psychology, v. 80, n. 3, pp. 260-267. 1988. https://doi.org/10.1037/0022-0663.80.3.260

ANTUNES, M. T. Ser Protagonista Química: Competências ENEM. 1 ed. Edições SM Ltda. São Paulo: Brasil, 2014.

BARLACH, L.; LIMONGI-FRANÇA, A. C.; MALVEZZI, S. O conceito de resiliência aplicado ao trabalho nas organizações. Interamerican Journal of Psychology, v. 42, n. 1, pp. 101-112. 2008.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em Educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto Editora. Porto: Portugal, 1994.

BORDENAVE, J. D.; PEREIRA, A. M. O que é aprender. In: Estratégias de ensino-aprendizagem. 29. Vozes. Petrópolis: Brasil, 2008.

BORUCHOVITCH, J. D.; BZUNECK, J. A. A motivação do aluno: contribuições da psicologia contemporânea. 4 ed. Vozes. Petrópolis: Brasil, 2009.

CAETANO, A.; JANUÁRIO, C. Motivação, teoria das metas discentes e competência percebida. Pensar a Prática, v.12, n. 2, 2009.

DESLAURIERS, J. P.; KÉRISIT, M. O delineamento de pesquisa qualitativa. In: POUPART, J. (ed.). A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Vozes. Petrópolis: Brasil, 2008. pp.127-153.

DETTWEILER, U.; et al. Investigating the Motivational Behaviour of Pupils During Outdoor Science Teaching within Self-Determination Theory. Frontiers in Psychology, 6, 1-16. 2015. https://doi.org/10.3389/fpsyg.2015.00125

ECCLES, J. S.; WIGFIELD, A. Motivational Beliefs, Values, and Goals. Annual Review of Psychology, v. 53, n. 1, pp. 109-132. 2002.https://doi.org/10.1146/annurev.psych.53.100901.135153

FITA, E. C. O professor e a motivação dos alunos. In: A motivação em sala de aula. 8 ed. Edições Loyola. São Paulo: Brasil, 2009.

GOTTFRIED, A. E.; FLEMING, J. S.; GOTTFRIED, A. W. Continuity of Academic Intrinsic Motivation from Childhood through Late Adolescence: A Longitudinal Study. Journal of Educational Psychology, v. 93, n. 1, pp. 3-13. 2001.https://doi.org/10.1037/0022-0663.93.1.3

GUIMARÃES, S. E.; BORUCHOVITCH, E. O estilo motivacional do professor e a motivação intrínseca dos estudantes: uma perspectiva da teoria da autodeterminação. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 17, n. 2, pp. 143-150. 2004.https://doi.org/10.1590/S0102-79722004000200002

GÜNTHER, H. Pesquisa qualitativa versus Pesquisa quantitativa: esta é a questão? Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 22, n. 2, pp. 201-210. 2006.https://doi.org/10.1590/S0102-37722006000200010

JOB, F. P. P. Os sentidos do trabalho e a importância da resiliência nas organizações. Tese Doutorado em Administração de Empresas, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, Brasil, 2003.

MAEHR, M. L.; MEYER, H. A. Understanding Motivation and Schooling: Where We've Been, Where We Are, and Where We Need to Go. Educational Psychology Review, v. 9, n. 4, pp. 371-409. 1997.https://doi.org/10.1023/A:1024750807365

MIZUKAMI, M. G. N.; et al. Escola e aprendizagem da docência: processos de investigação e formação. EdUFSCar, INEP, COMPED. São Carlos: Brasil, 2003.

MORAN, J. A integração das tecnologias na educação. In: A Educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. 5 ed. Papirus. Campinas: Brasil, 2013. 89-90.

OTIS, N.; GROUZET, F. M.; PELLETIER, L. G. Latent Motivational Change in an Academic Setting: A 3-Year Longitudinal Study. Journal of Educational Psychology, v. 97, n. 2, pp. 170-183. 2005.https://doi.org/10.1037/0022-0663.97.2.170

PATRICK, B. C.; SKINNER, E. A.; CONNELL, J. P. What Motivates Children's Behavior and Emotion? Joint Effects of Perceived Control and Autonomy in the Academic Domain. Journal of Personality and Social Psychology, v. 65, n. 4, pp. 781-791. 1993. https://doi.org/10.1037/0022-3514.65.4.781

REEVE, J. Understanding Motivation and Emotion. 5 ed. Wiley. EE.UU, 2009.

RYAN, R. M.; DECI, E. L. Intrinsic and Extrinsic Motivations: Classic Definitions and New Directions. Contemporary Educational Psychology, v. 25, n. 1, pp. 54-67. 2000.https://doi.org/10.1006/ceps.1999.1020

SANTOS, W. L. P. Contextualização no ensino de ciências por meio de temas CTS em uma perspectiva crítica. Ciência & Ensino, 1, pp. 1-12. 2007.

SCAFI, S. H. F. Contextualização do ensino de Química em uma escola militar. Química Nova na Escola, v. 32, n. 3, pp. 176-183. 2010.

SKINNER, E. A.; BELMONT, M. J. Motivation in the Classroom: Reciprocal Effects of Teacher Behavior and Student Engagement Across the School Year. Journal of Educational Psychology, v. 85, n. 4, pp. 571-581. 1993.https://doi.org/10.1037/0022-0663.85.4.571

SWARAT, S.; ORTONY, A.; REVELLE, W. Activity Matters: Understanding Student Interest in School Science. Journal of Research in Science Teaching, v. 49, n. 4, pp. 515-537. 2012.https://doi.org/10.1002/tea.21010

TAPIA, J. A. Contexto, motivação e aprendizagem. In: A motivação em sala de aula. 8 ed. Edições Loyola. São Paulo: Brasil, 2009.

TURNER, J.; PATRICK, H. Motivational Influences on Student Participation in Classroom Learning Activities. The Teachers College Record, v. 106, n. 9, pp. 1759-1785. 2004.https://doi.org/10.1111/j.1467-9620.2004.00404.x

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Martins Fontes. São Paulo: Brasil, 1991.

VYGOTSKY, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. 2 ed. Martins Fontes. São Paulo: Brasil, 2009.

Cómo citar
de Oliveira, D. M., & Catão, V. (2017). Teoria das metas de realização em sala de aula e as possíveis influências nos padrões motivacionais para a aprendizagem da química em duas turmas do ensino médio. Góndola, Enseñanza Y Aprendizaje De Las Ciencias (Bogotá, Colombia), 12(2), 50. https://doi.org/10.14483/udistrital.jour.gdla.2017.v12n2.a3
Publicado: 2017-07-07
Sección
ARTÍCULOS