Ideias dos professores de ciências sobre o trabalho colaborativo intercultural

Science teacher ideas on intercultural collaborative work

Ideas de profesores de ciencias sobre el trabajo colaborativo intercultural

  • Josenaide Alves da Silva Universidade Federal da Bahia, Campus de Ondina, Brasil
  • Geilsa Costa Santos Baptista Universidade Estadual de Feira de Santana, Brasil https://orcid.org/0000-0002-5871-0115
Palabras clave: collaborative work, intercultural dialog, pedagogical practice, science teaching, continuing education for educators (en_US)
Palabras clave: trabajo colaborativo, diálogo intercultural, práctica pedagógica, enseñanza de las ciencias, formación continuada del pedagogo (es_ES)
Palabras clave: trabalho colaborativo, diálogo intercultural, prática pedagógica, ensino de ciências, formação continuada do pedagogo (pt_BR)

Resumen (pt_BR)

O estudo é parte da pesquisa de mestrado da primeira autora e objetiva identificar as ideias dos professores de ciências no que se refere ao desenvolvimento de um trabalho colaborativo para o ensino de ciências intercultural. Essa investigação aconteceu antes e após às suas participações na elaboração de uma sequência didática, baseada no diálogo entre os saberes científicos e culturas dos estudantes para a disciplina de Ciências Naturais. Os participantes foram dois professores que lecionam nos anos iniciais do ensino Fundamental, de uma escola da rede municipal de Amargosa-BA. As análises procederam por meio de transcrições de entrevistas semiestruturadas antes e após a concretização de um trabalho em colaboração com os informantes, sendo realizadas interpretações, inferências e levantamento de categorias temáticas. Estas são identificadas por falas dos entrevistados e códigos: P1, pauta-se ao primeiro professor; P2, para a segunda professora. Os professores demonstravam inseguros para dialogarem sobre a atividade científica, os fatos históricos das ciências e a consideração da diversidade cultural nas aulas de Ciências Naturais. Após participarem do processo colaborativo, os mesmos puderam ampliar suas concepções sobre estas perspectivas. Conclui-se que a consolidação desse modo de formação em escolas dos anos iniciais prepara o docente para lidar com a educação científica em sala de aula.

Resumen (es_ES)

Este estudio es parte de la investigación de maestría de la primera autora y busca identificar las ideas de los profesores de ciencias en lo referente al desarrollo de un trabajo colaborativo para la enseñanza intercultural de las ciencias. Esta investigación se produjo antes y después de sus participaciones en la elaboración de una secuencia didáctica basada en el diálogo entre los saberes científicos y las culturas de los estudiantes para la materia de Ciencias Naturales. Los participantes fueron dos profesores que enseñan en el nivel de básica primaria, de una escuela de la red municipal de Amargosa-BA. Los análisis procedieron por medio de transcripciones de entrevistas semiestructuradas antes y después de la concreción de un trabajo en colaboración con los participantes, siendo realizadas interpretaciones, inferencias y levantamiento de categorías temáticas. Estas son identificadas por palabras de los entrevistados y códigos: P1, fue asignada al primer profesor; P2, para la segunda profesora. Los profesores se mostraban inseguros para dialogar sobre la actividad científica, los hechos históricos de las ciencias y la consideración de la diversidad cultural en las clases de Ciencias Naturales. Después de participar en el proceso colaborativo, los mismos pudieron ampliar sus concepciones sobre estas perspectivas. Se concluye que la consolidación de ese modo de formación en escuelas de básica primaria, prepara al docente para manejar la educación científica en el aula.  

Resumen (en_US)

This study aims to identify the views of science teachers about the development of a collaborative method for teaching intercultural sciences. This research was conducted before and after the teachers’ participation in the elaboration of a didactic sequence based on a dialog that covered the scientific knowledge and cultures of students undertaking natural sciences. The participants were two teachers who taught in the initial years of elementary education. They had taught in a school in the municipal network of Amargosa-BA. The analysis was carried out through transcripts of semi-structured interviews conducted before and after completion of collaborative activities with the informants. Interpretations, inferences, and survey of thematic categories were also carried out. These were identified by interviewees’ speeches and codes P1 (representing the first teacher) and P2 (representing the second teacher). The teachers were not comfortable talking about scientific activity, the historical facts of the sciences, and the consideration of cultural diversity in natural science classes. After participating in the collaborative process, they were able to broaden their conceptions about these perspectives. This study concludes that the consolidation of this mode of training in schools, more specifically in the early years, prepares teachers to deal with scientific education in classrooms.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Josenaide Alves da Silva, Universidade Federal da Bahia, Campus de Ondina, Brasil

Doutoranda por meio do Programa de Pós-Graduação em Ensino Filosofia e História das Ciências,  Instituto de Física, Campus de Ondina, Universidade Federal da Bahia, Brasil.

Geilsa Costa Santos Baptista, Universidade Estadual de Feira de Santana, Brasil

Doutora por meio do Programa de Pós-Graduação em Ensino Filosofia e História das Ciências. Professora do Departamento de Educação, Universidade Estadual de Feira de Santana, Brasil.

Referencias

AUGUSTO, T.G.S.; AMARAL, I.A. do. A formação de professoras para o ensino de Ciências nas séries iniciais: análise dos efeitos de uma proposta inovadora. Ciência e Educação, Bauru, v. 21, n. 2, pp. 493-509. 2015. https://doi.org/10.1590/1516-731320150020014

BAPTISTA, G.C.S. Um enfoque etnobiológico na formação do professor de ciências sensível à diversidade cultural: estudo de caso. Ciência & Educação, Bauru, v. 21, n. 3, pp. 585-603. 2015. Disponível em: <http://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/gaia/article/view/24068>. Acessado em: 20/04 de 2019. https://doi.org/10.1590/1516-731320150030005

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. 70a. ed. Edições. Lisboa: Portugal. 2011.

BAYERL, G.S. O ensino de ciências nos anos iniciais do Ensino Fundamental: uma reflexão histórica das políticas de educação do Brasil. In: IV Simpósio Nacional de Ensino de Ciências e Tecnologia, 2014, v.5 Ponta Grossa. Anais eletrônicos... Ponta Grossa, UTFPR, 2014. Disponível em: <http://www.sinect.com.br/2016/index.php?id=260>. Acessado em: 20/04 de 2019.

BIZZO, N. Ciências: fácil ou difícil? 2a. ed. Ática. São Paulo: Brasil. 2009.

BOAVIDA, A.M.; PONTE, J.P. Investigação colaborativa: Potencialidades e problemas. Investigação colaborativa: Potencialidades e problemas. In: GTI (Org). Reflectir e investigar sobre a prática profissional. 2a. ed. Lisboa, APM, p. 21, 2002. Disponível em: <http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/4069/1/02-Boavida-Ponte%20(GTI).pdf>. Acessado em: 20/04 de 2019.

BONANDO, P.A. Ensino de Ciências nas séries iniciais do 1º grau - descrição e análise de um programa de ensino e assessoria ao professor, 1994, 260 f. Dissertação (Mestrado). - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos-SP. 1994.

BONZANINI, T.K.; BASTOS, F. Formação continuada de professores: algumas reflexões. In: Encontro nacional de pesquisa em educação em ciências, v. 5, n. 8. Belo Horizonte. Anais.... Belo Horizonte, ed. UNESP. 2009. pp. 8154-8166.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais de 5ª a 8ª séries Documento Introdutório. SEF. Brasília. 1997.

CANDAU. V.M.F. Diferenças culturais, cotidiano escolar e práticas pedagógicas. Currículo sem Fronteiras, Porto, v. 9, n. 2, pp. 240-255. 2011.

CANDAU, V.M. Didática crítica intercultural: aproximações. Vozes. Petrópolis: Brasil. 2013.

CANEN. A. Formação continuada de professores para a diversidade cultural: ênfases, silêncios e perspectivas. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 16, n. 48, pp. 641-661. 2011. https://doi.org/10.1590/S1413-24782011000300007

CARRILHO, M.R.F.S. Trabalho colaborativo entre professores e inovação educacional: contribuições da investigação. 125 f. Dissertação (Mestrado) - Instituto Politécnico de Viena. Viena. 2011.

CUNHA, A.M.O. A mudança distorça epistemológica de professores num contexto de educação continuada. Ciência e Educação, Bauru, v. 7, n. 2, pp. 235-248. 2001. https://doi.org/10.1590/S1516-73132001000200007

DAMIANI, M.F. Entendendo o trabalho colaborativo em educação e revelando seus benefícios. Educar, Curitiba, v. 12, n. 31, pp. 213-230. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010440602008000100013&script=sci_abstract&tlng=pt. Acessado em: 20/04 de 2019 https://doi.org/10.1590/S0104-40602008000100013

DANTAS, S.D. Diálogos interculturais: reflexões interdisciplinares e intervenções psicossociais. IEA-USP. São Paulo: Brasil. 2012.

DAY, C. Desenvolvimento profissional de professores: os desafios da aprendizagem permanente. 2a. ed. Porto Ed. Porto: Portugal. 2001.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J.A. Metodologia do Ensino de Ciências. 2a. ed. Cortez. São Paulo: Brasil. 1990.

DEVETAK, S.; GLAŽAR, A.; VOGRINC, J. The Role of Qualitative Research in Science Education. Eurasia Journal of Mathematics, Science & Technology Education, v. 6, n. 1, pp. 77-84. 2010. https://doi.org/10.12973/ejmste/75229

FERREIRA, M.P.A. O trabalho colaborativo da equipa técnico-pedagógica de um centro novas oportunidades. 179 f. Dissertação (Mestrado) - Escola Superior de Educação Almeida Garrett. Lisboa. 2012.

FORNET-BETANCOURT, R. Transformación intercultural de la filosofía. Desclée de Brouwer. Bilbao: España. 2001.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. 23a. ed. Paz e Terra. São Paulo: Brasil. 1997.

GATTI, B. Análise das políticas públicas para formação continuada no Brasil, na última década. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 13, n. 37, pp. 57-70. 2008. https://doi.org/10.1590/S1413-24782008000100006

GOLDSCHMIDT. A.I. O ensino de ciências nos anos iniciais: sinalizando possibilidades de mudanças. 226 f. Tese (Doutorado em Educação em Ciências) - UFSM, Santa Maria, 2012.

GONÇALVES, C.D. (Re) pensar a ciência como cultura. Revista Sociologia, Problemas e Práticas, Lisboa, v. 18, n. 21, pp. 47-68. 1996.

HARGREAVES. A. Profesorado, cultura y postmodernidad. Cambian los tiempos, cambia el profesorado. Ediciones Morata. Madrid: España. 1998.

IBIAPINA, I.M.L.de M. Pesquisa colaborativa: Investigação, formação e produção de conhecimentos. Liber, Brasília: Brasil. 2008.

LADEIRA, W.T. Teoria e métodos de pesquisa qualitativa em sociolinguística interacional. Revista de C. Humanas, v. 7, n. 1, pp. 43-46. 2007.

LOPES, L.D., da. A construção da prática pedagógica do professor: saberes e experiência profissional. In: Congresso Internacional e V Colóquio Nacional, 2009, João Pessoa. Anais... João Pessoa, UFPB. 2009. pp. 11-327.

MATTHEWS, M.R. Science teaching: the role of history and philosophy of science. Caderno Catarinense de Ensino de Física. Florianópolis, v. 12, n. 3, pp. 164-214. 1995.

MORTIMER, E.F.; SCOTT, P. Atividade Discursiva nas Salas de Aulas de Ciências: Uma Ferramenta Sociocultural para Analisar e Planejar o Ensino. Investigação em Ensino de ciências, Porto Alegre - RS, v. 7, n. 3, pp. 01-24. 2002.

NOGUEIRA, P.G.S.S.B. Trabalho colaborativo docente no ensino de Ciências: um estudo de caso. 184 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Portugalinese, Porto. 2013. Disponível em: <http://repositorio.uportu.pt/bitstream/11328/639/1/TME%20502.pdf>. Acessado em: 20/04 de 2019.

NÓVOA, A. Os professores e a sua formação. Publicações Dom Quixote. Lisboa: Portugal. 1991.

OGAY, T. Por uma abordagem intercultural da educação: levar a cultura a sério. Revista Diálogo Educação, Curitiba, v. 10, n. 30, pp. 391-408. 2010. https://doi.org/10.7213/rde.v10i30.2476

OVIGLI, D.F.B.; BERTUCCI, M.C.S. A formação para o ensino de ciências naturais nos currículos de pedagogia das instituições públicas de ensino superior paulista. Ciências & Cognição, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, pp. 194-209, 2009. Disponível em: <http://www.cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/134/92>. Acessado em: 20/04 de 2019.

PAVAN, R.; LOPES, M.C.L.P.; BACKES, J.L. A construção de um diálogo intercultural com indígenas por meio de pesquisa-ação não convencional. Revista Acta Scientiarum, Maringá, v. 36, n. 1, pp. 163-173. 2014. https://doi.org/10.4025/actascieduc.v36i1.21295

PIMENTA, S.G.; GHEDIN, E. Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. 3a. ed. Cortez. São Paulo: Brasil. 2005.

POZO, J.I.; CRESPO, M. A. G. A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. 5a. ed. Artmed. São Paulo: Brasil, 2009.

PRAIA, J.; CACHAPUZ, A.; GIL-PÉREZ, D. Problema, teoria e observação em ciência: para uma reorientação epistemológica da educação em ciência. Ciência e Educação, Bauru, v. 8, n. 1, pp. 127-145. 2002. https://doi.org/10.1590/S1516-73132002000100010

SOUZA, S. C. Repensando a leitura na educação em ciências: necessidade e possibilidade na formação inicial de professores. In: Encontro Internacional Linguagem, Cultura e Cognição: reflexões para o ensino, II, 2003, Anais... Belo Horizonte, UFMG, 2003.

ZABALA, A. A Prática Educativa: como ensinar. Artmed. Porto Alegre: Brasil. 1998.

ZIBETTI, M.L.; SOUZA, M.P. Apropriação e mobilização de saberes na prática pedagógica: contribuição para a formação de professores. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 33, n. 2, pp. 247-262. 2007. https://doi.org/10.1590/S1517-97022007000200005

Cómo citar
Silva, J. A. da, & Baptista, G. C. S. (2020). Ideas de profesores de ciencias sobre el trabajo colaborativo intercultural. Góndola, enseñanza Y Aprendizaje De Las Ciencias, 15(2). https://doi.org/10.14483/23464712.14799
Publicado: 2020-05-01
Sección
ARTÍCULOS