A transposição didática do conteúdo de reações orgânicas

The didactic transposition of the content of organic reactions

  • Priscila do Nascimento Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Jose Euzebio Simões Neto Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Flávia Cristiane Vieira da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco
Palabras clave: enseñanza de química (en_US)
Palabras clave: ensino de química, reações orgânicas, transposição didática (pt_BR)

Resumen (pt_BR)

O processo de transposição didática pode ser entendido como o conjunto de modificações que o saber sofre, da esfera acadêmica (saber científico) para o âmbito escolar, em duas etapas: externa (produz o saber a ser ensinado) e interna (produz o saber ensinado). Neste trabalho, analisamos incialmente a fase externa da transposição, observando modificações que o saber sofre até chegar a sala de aula, para o conteúdo de reações orgânicas. Em seguida, procuramos identificar a relação de três professores do Ensino Médio com este conteúdo através de entrevistas, em busca de evidências do trabalho intramuros da sala de aula, na etapa interna da transposição. Observamos as modificações ocorridas no processo de didatização: criações didáticas, supressões e deformações. Os professores trabalham reações orgânicas com tempo reduzido, aceitando as modificações, e, em alguns casos, realizando novas ações, mas ignorando a importância dos processos de recontextualização e repersonalização do saber.

 

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Referencias

Almouloud, S. (2007). Fundamentos da didática da matemática. São Paulo: EPU.

Bessa de Menezes, M., Lins, M. e Brito, A. (2010). A emergência de fenômenos didáticos em sala de aula – A negociação de uma sequência didática em álgebra inicial. In IX Encontro Nacional de Educação Matemática (p. 12). Belo Horizonte.

Brito , A. (2006). Contrato didático e transposição didática: interrelações entre os fenômenos didáticos na iniciação à álgebra na 6ª série do Ensino Fundamental. Brasil: Universidade Federal de Pernambuco.

Brousseau, G. (1986). Foundamentes e méthodes de la didactique dês mathématiques. Recherche em didactique dês mathématiques, 7(2), 33–115.

Brousseau, G. (2000). Fundamentos e métodos da didática da matemática. In J. Brun, Didáctica das matemáticas, p. 35–111. Lisboa: Instituto Piaget.

Brousseau, G. (2008). Introdução ao estudo da teoria das situações didáticas. São Paulo: Ática.

Câmara dos Santos, M. (1997). O professor eo tempo. Tópicos Educacionais, 15(1), 105–116.

Chassot, A. I. (1993). Catalisando transformações em educação. Ijuí-RS: Editora da Unijuí.

Chassot, A. I. (2007). Educação consCiência. Santa Cruz do Sul-RS: Edunisc.

Chassot, A. I. (2010). Alfabetização científica. Ijuí-RS: Editora da Unijuí.

Chevallard, Y. (1991). La transposicíon didáctica. Buenos Aires: Aique.

Johnstone, A. H. (1992). Macro and microchemistry. School Science Review, 64(227), 377–379.

Mariano, A., Ventura, E., Monte, S., Braga, C., Carvalho, A., Araújo, R. e Santana, O. (2008). O ensino de reações orgânicas usando química computacional I : reações de adição eletrolítica e alquenos. Química Nova, 31(4), 1243–1249.

Melzer, E. (2012). Do saber sábio ao saber a ensinar: a transposição didática d conteúdo modelo atômico de livros de química (1921-2012). Brasil: Universidade Federal do Paraná.

Melzer, E., Silva, F., e SimõesNeto, J. (2010). Analisando as pesquisas envolvendo transposição didática de conteúdos químicos publicados no Brasil. In XVII Encontro Nacional de Ensino de Química (p. 12). Ouro Preto-MG.

Mortimer, E., Scott, P.. Amaral, E. e El-Hani, C. (2010). Modeling modes of thinking and speaking with conceptual profiles. In S. D. J. Pena, Themes in trnasdisciplinarity, p. 105–137. Belo Horizonte: Editora da UFMG.

Pinho-Alves, J. (2000). Atividades experimentais: do método à prática construtivista. Brasil: Universidade Federal de Santa Catarina.

Pozo, J. e Goméz, M. (2009). A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. 5 ed. Porto Alegre: Artmed.

Roque, N. & Silva, J. (2008). A linguagem e o ensino de química orgânica. Química Nova, 31(4), 921–923.

Saviani, D. (1994). Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. São Paulo: Autores Associados.

Silva, P., Souza, L., Custódio, A., Silva, F. e SimõesNeto, J. (2013). Análise da transposição didática para oc onteúdo de reações orgânicas – primeiras impressões. In IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (p. 8). Águas de Lindóia-SP.

Silva, P., Silva, F. e SimõesNeto, J. (2010). A transposição didática como recurso para análise do saber intramuros da sala de aula do conteúdo termoquímica. In XVII Encontro Nacional de Ensino de Química (p. 12). Ouro Preto-MG.

SimõesNeto, J., Campos, A. e Marcelino-Jr., C. (2013). Abordando a isomeria em compostos orgânicos e inorgânicos: uma atividade fundamentada no uso de situações-problema na formação inicial de professores de química. Investigações no Ensino de Ciências, 18(2), 327–346.

Cómo citar
Silva, P. do N., Simões Neto, J. E., & Silva, F. C. V. da. (2015). A transposição didática do conteúdo de reações orgânicas. Góndola, Enseñanza Y Aprendizaje De Las Ciencias (Bogotá, Colombia), 10(2), 35-48. https://doi.org/10.14483/10.14483/udistrital.jour.gdla.2015.v10n2.a2
Publicado: 2015-07-01
Sección
ARTÍCULOS