Significados de “matematização” de professores e estudantes de um curso de licenciatura em fisica: um estudo de caso

Diego Vizcaino Arevalo, Eduardo Terrazzan

Resumen


Apresenta-se um estudo sobre a forma como é entendida e trabalhada a Matemática no âmbito do Ensino e a Aprendizagem da Física, no curso de Licenciatura em Física de uma Universidade pública do interior de São Paulo, Brasil. Para tal, fizemos um levantamento sobre as propostas de pesquisadores nesta linha, que mostrou-nos como vêm-se inserindo neste campo o termo de “Matematização” para representar processos por meio dos quais o aprendizado da Física ganha significação, ao considerar a formação de habilidades, tais como; observação, descrição, idealização, analise lógico local, axiomatização e aplicação. Acompanhamos durante um ano, diversas disciplinas de Física de diferentes semestres buscando que fossem do começo, metade e final do curso. Utilizamos o diário de campo como técnica de registro da informação, coletando; dados básicos, conteúdos, e desenvolvimento da aula. Com base na análise do diário de campo foi elaborado um roteiro de observação contendo indicadores que permitissem detectar a presença e a forma como se desenvolvem processos de Matematização, servindo-nos deste roteiro, observamos durante um semestre um outro grupo de disciplinas de Física, fazendo uma analise de conteúdo sobre o material produzido. Constatamos que o fato de observar disciplinas de diferentes níveis do curso, não ofereceu diferenças de atuação dos professores nem dos estudantes. Com relação à presença de processos de Matematização, não se pode falar que não existam, uma vez que tanto estudantes quanto professores vão em busca da compreensão dos conteúdos da Física. Porem, não se evidencia desenvolvimento profundo das características da Matematização oferecidas pelos pesquisadores neste tópico

 


Palabras clave


Ensino de Física; Matematização; Relação matemática e ensino da física; Licenciatura em Física

Texto completo:

PDF HTML

Referencias


BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Edições 70. Lisboa, 2002.

CANTOR, G. N. Berkeley, reid, and the mathematization of mid-eighteenth-century optics. Journal of the History of Ideas, Pennsylvania, v.38, n.3, pp. 429-448, 1977.

ESTRELA, A. Teoria e Prática de Observação de Classes. Editora Porto. Portugal. 4 ed. 1994.

GINGRAS. Y. What did mathematics do to physics? hist. sci., xxxix, 2001.

MARTINS, G. Estudo de Caso, Uma estratégia de Pesquisa. Editora Atlas. São Paulo. 2008.

PATY. M. The idea of quantity at the origin of the legitimacy of mathematization in physics. Constructivism and practice: towards a social and historical epistemology, Rowman & littlefield, Lanham (md.,USA), p. 109-135, 2003.

PIETROCOLA, M. A Matemática como estruturante do conhecimento Físico. Cad.Cat.Ens.Fís. v.19, n.1: p. 88-108, ago. 2002.

UHDEN, O; KARAM, R; PIETROCOLA, M; POSPIECH, G. Modelling Mathematical Reasoning in Physics Education. Science & Education. Volume 21, Number 4. 2012.




DOI: https://doi.org/10.14483/23464712.5023



ISSN 2346-4712