Interações discursivas mediadas na aula de ciências

Discursive interactions mediated in the classroom

Interacciones discursivas mediadas en el salón de clases

  • Núbia Rosa Baquini da Silva Martinelli Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Brasil.
  • Luiz Fernando Mackedanz Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil
  • Jaqueline Ritter Universidade Federal do Rio Grande, Brasil
Palabras clave: Language, Science education, Dialogue, Discursive method (en_US)
Palabras clave: lenguaje, enseñanza de las ciencias, diálogo, método discursivo (es_ES)
Palabras clave: linguagem, ensino de ciências, diálogo, método discursivo (pt_BR)

Resumen (pt_BR)

Neste trabalho, buscamos estudar interações pedagógicas dialógicas e discursivas, que resultam em formação conceitual, durante aulas de Ciências do 9º ano do Ensino Fundamental, no sul do Brasil. O objetivo é demonstrar um modo de desenvolver o componente curricular de Ciências Naturais, superando o ensino instrucional, em favor de um ensino contextualizado, que considera as motivações dos estudantes na relação com as mediações docentes, como possibilidades de aprender e ensinar. Move nossas práxis a questão: por quais “meios” as manifestações dos estudantes em sala de aula podem constituir-se como mediações entre os movimentos de ensinar e aprender, para que a aprendizagem possa ocorrer dialógica e dialeticamente? Trata-se de pesquisa-ação, cujo corpo empírico forma-se por filmagens das aulas transcritas e analisadas, segundo a teoria bakhtiniana das “interações discursivas”, na qual a linguagem é fundamentalmente analisada como categoria fundante dos movimentos de ensinar e aprender. Trabalhamos em escolas públicas municipais, partindo da premissa de que o trabalho pedagógico que fomenta a expressão dos estudantes é capaz de gerar movimentos de ensinar e aprender dialógicos, nos quais as interações verbais proporcionam formulações conceituais dos estudantes a partir das mediações docentes. Assim, os temas das enunciações constituem-se em formulações teórico-práticas capazes de gerar interpretações acerca das lógicas de produção científica, por meio dos conceitos científicos e suas manifestações linguísticas sobre o funcionamento das Ciências Naturais, sobre sua natureza e sobre as suas inter-relações com a sociedade.

Resumen (en_US)

In this research, we study the dialogic and discursive pedagogical interactions encouraging conceptual construction in 9th grade science classes at a school in southern Brazil. The main objective is to demonstrate how to develop the curricular component of natural science classes by moving past instructional teaching and instead facilitating contextualized teaching, which considers students’ motivations in relation to teaching through mediation. We base this practice on the following question: through what strategies can students’ activities in class be constituted in mediations that develop processes of teaching and learning in a dialogic and dialectical way? Data collection in this action research was done through video recordings, transcriptions, and analyses of classes according to the Bakhtinian theory of discursive interactions, according to which language is a founding category of teaching and learning movements. We worked in municipal public schools under the hypothesis that pedagogical work to stimulate students’ expressions impacts the dialogical movements of teaching and learning, where verbal interactions allow their conceptual formulations through teaching as mediation. Thus, the themes about enunciation become theoretical-practical approaches capable of generating interpretations about the logic of science production, throughout scientific concepts and their linguistic manifestations about the functioning of science, its nature, and its interrelationships with society.

Resumen (es_ES)

En esta investigación, estudiamos las interacciones pedagógicas dialógicas y discursivas, que fomentan la construcción conceptual en las clases de ciencias de grado noveno, en un colegio del sur de Brasil. El principal objetivo es demostrar un modo de desarrollar el componente curricular de Ciencias Naturales, superando la enseñanza instructiva y favoreciendo la enseñanza contextualizada, que considera las motivaciones de los alumnos en la relación con las mediaciones docentes como posibilidades de aprender y enseñar. Fundamentamos esta práctica en la pregunta: ¿Por cuáles "medios" las manifestaciones de los estudiantes en la clase, pueden constituirse en mediaciones que desarrollan procesos de enseñar y aprender de manera dialógica y dialéctica? Esta fue una investigación-acción, cuya toma de datos se realizó por medio de filmaciones de clases transcritas y analizadas según la teoría bakhtiniana de las "interacciones discursivas", según la cual, el lenguaje es fundamentalmente analizado como categoría fundadora de los movimientos de enseñar y aprender. Trabajamos en escuelas públicas municipales bajo la hipótesis de que el trabajo pedagógico que alimenta la expresión de los estudiantes es capaz de producir movimientos de enseñar y aprender dialógicos, donde las interacciones verbales permiten sus formulaciones conceptuales a través de las mediaciones docentes. Así, los temas de las enunciaciones se constituyen en planteamientos teórico-prácticos capaces de generar interpretaciones acerca de las lógicas de producción de las ciencias, por medio de los conceptos científicos y sus manifestaciones lingüísticas sobre el funcionamiento de la ciencia, sobre su naturaleza y sobre sus interrelaciones con la sociedad.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Núbia Rosa Baquini da Silva Martinelli, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Brasil.

Doutora em Educação em Ciências, pela Universidade Federal do Rio Grande, Brasil. Professora da educação básica, Técnica em Educação no Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Brasil.

Luiz Fernando Mackedanz, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil

Doutor em Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil. Professor Associado da Universidade Federal do Rio Grande, no Instituto de Matemática, Estatística e Física.

Jaqueline Ritter, Universidade Federal do Rio Grande, Brasil

Doutora em Educação nas Ciências pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Professora Adjunta da Universidade Federal do Rio Grande, na Escola de Química e Alimentos.

Referencias

ARROYO, M. Currículo, território em disputa. 5a. ed. Vozes. Petrópolis: Brasil, 2017.

BACHELARD, G. A Formação do Espírito Científico, contribuição para psicanálise do conhecimento. Traduzido por: ABREU. E. Contraponto. Rio de Janeiro: Brasil, 1996.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Traduzido por: BEZERRA, P. 4a. ed. Martins Fontes. São Paulo: Brasil, 1997.

BAKHTIN, M. Questões de literatura e estética: a teoria do romance. Traduzido por: BERNARDINI, A. UNESP-Hucitec. São Paulo: Brasil, 1998.

BAKHTIN, M. Marxismo e Filosofia da Linguagem Problemas fundamentais do Método Sociológico na Ciência da Linguagem. Traduzido por LAHUD, M.; VIEIRA Y. 7ªed. Hucitec. São Paulo: Brasil, 2006.

BORTOLOTTO, N.; FIAD, R. O espaço público da escola - um mundo significado nas relações eu-outro. Bakhtiniana, São Paulo, v. 12, n. 3. pp. 5-21. 2017. https://doi.org/10.1590/2176-457330649

CARR, W.; KEMMIS, S. Teoría Crítica de la Enseñanza. Traducido por: BRAVO J. Martínez Rocca. Barcelona: España. 1988.

CHALMERS, A. O que é Ciência afinal? Traduzido por: FILKER R. Brasiliense. São Paulo: Brasil, 1993.

COLE, M.; SCRIBNER, S. Introdução. In: VYGOTSKY, L.S. A Formação Social da Mente. 4a. ed. Traduzido por: NETO, J. Martins Fontes. São Paulo: Brasil, 1991. pp. 07-15.

DEMO, P. Educação e desenvolvimento: Algumas hipóteses de trabalho frente à questão tecnológica. Revista Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 105, pp. 149-170. 1991.

DUIT, R. On the role of analogies and metaphors in learning science. Science Education, New Jersey, v. 75, pp. 649-672. 1991. https://doi.org/10.1002/sce.3730750606

ELIOT, T. The Rock. In: BROOKER, J. (ed.). The Contemporary Reviews American Critical Archives. Cambridge. pp. 297-316. 2004. https://doi.org/10.1017/CBO9780511485466.016

FARACO, C.A. Linguagem & Diálogo: as ideias linguísticas do Círculo de Bakhtin. 3a. reimpressão. Parábola Editorial. São Paulo: Brasil, 2016.

FERRY, A.; NAGEM, R. Analogia & contra-analogia: um estudo sobre a viabilidade da comparação entre o modelo atômico de Bohr e o sistema solar por meio de um júri simulado. Investigação em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 4, pp. 43-60. 2009.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia. 11ed. Paz e Terra. São Paulo: Brasil, 1996.

GIROLA, M. Signo e ideologia: a contribuição Bakhtiniana para a filosofia da linguagem. Língua e Literatura, São Paulo, v. 28, pp. 319-332. 2004.

GOULART, C. Em busca de balizadores para a análise de interações discursivas em sala de aula com base em Bakhtin. R. Educ. Públ. Cuiabá, v. 18, n. 36, pp. 15-31. 2009.

HARGREAVES, A. O Ensino na Sociedade do Conhecimento: educação na era da insegurança. Traduzido por: COSTA, R. Artmed. Porto Alegre: Brasil, 2004.

HODSON, D. Time for action: science education for an alternative future. International Journal of Science Education, Reino Unido, v. 25, pp. 645-670. 2003. https://doi.org/10.1080/09500690305021

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Traduzido por SILVA, C.; SAWAYA, J. 2a. ed. CortezUnesco. São Paulo: Brasil, 2011.

OLIVEIRA, M. K. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento, um processo sócio-histórico. 4a. ed. Scipione. São Paulo: Brasil, 2002.

POPPER, K. A Lógica da pesquisa científica. 9a. ed. Traduzido por: HEGENBERG, L. Cultrix. São Paulo: Brasil, 1993.

RITTER, J. Recontextualização de Políticas Públicas em Práticas Educacionais. Appris. Curitiba: Brasil, 2017.

SILVA, L.L.; TERRAZAN, E. O uso de analogias no ensino de modelos atômicos. In: XVI SIMPÓSIO NACIONAL DE ENSINO DE FÍSICA. pp. 1-5. Rio de Janeiro. Anais XVI SNEF 2005. Painel, Sociedade Brasileira de Física. http://www.cienciamao.usp.br/dados/snef/_ousodeanalogiasnoensinod.trabalho.pdf. 2005.

TARDIF, M. Saberes Docentes e Formação Profissional. Traduzido por: LIMA, F. 5a. ed. Vozes. Petrópolis: Brasil, 2005.

VYGOTSKY, L. A formação social da mente. Traduzido por: NETO, J. C. 4a. ed. Martins Fontes. São Paulo: Brasil, 1991.

VYGOTSKY, L. Pensamento e linguagem. eBooksBrasil.com. 2001. Disponível em: http://www.ebooksbrasil.org/eLibris/vigo.html. Acesso em: 21-03-2016.

WALKER, J. O Grande Circo da Física. Coleção Aprender Fazer Ciência. 2a. ed. Gradiva. Lisboa: Portugal, 2001.

YAGUELLO, M. Introdução. In: BAKHTIN, M. Marxismo e Filosofia da Linguagem. 12a. ed. Hucitec. São Paulo: Brasil. 2006. pp. 12-20.

Cómo citar
Baquini da Silva Martinelli, N. R., Mackedanz, L. F., & Ritter, J. (2020). Interacciones discursivas mediadas en el salón de clases. Góndola, Enseñanza Y Aprendizaje De Las Ciencias (Bogotá, Colombia), 15(1), 28-45. https://doi.org/10.14483/23464712.14167
Publicado: 2020-01-01
Sección
ARTÍCULOS