DOI:

https://doi.org/10.14483/23464712.16135

Publicado:

2021-05-13

Número:

Vol. 16 Núm. 2 (2021): Mayo-Agosto

Sección:

ARTÍCULOS

Concepção de saúde incorporada pela Base Nacional Comum Curricular Brasileira

Concepcion health incorporated by Brazilian Common Base National Curriculum

Concepción de salud incorporada por la Base Comun Curricular Nacional Brasilera

Autores/as

Palabras clave:

Ensino, Saúde, Currículo, Ensino básico (pt).

Palabras clave:

Teaching, Health, Curriculum, Basic education (en).

Palabras clave:

Enseñanza, Salud, Curriculo, Educación básica (es).

Resumen (pt)

Refletir como a temática de saúde tem sido abordada em instituições escolares é fundamental, pois não há uma única concepção do processo saúde-doença. A saúde como conteúdo escolar emergiu no Brasil em 1971 e nas últimas décadas, por meio de diferentes reformas educacionais, ganhou espaços nos currículos divulgando diferentes conceitos. Em 2017 o Ministério da Educação apresentou a versão final da Base Nacional Comum Curricular, a qual indica os conteúdos que devem ser ensinados nas escolas da educação básica do Brasil. Assim sendo, o estudo teve como objetivos: apreender a concepção de saúde divulgada no texto legal da Base Nacional, identificar quais conteúdos escolares vinculam-se a temática da saúde e sistematizar em quais séries de conteúdos de saúde são trabalhados. Trata-se de um estudo descritivo, de caráter documental de fontes escritas primárias. A saúde no ensino fundamental é trabalhada nos conteúdos: higiene pessoal, diversidade, acidentes domésticos, manutenção da saúde auditiva e visual, alterações corporais nos ciclos de vida, transmissão de micro-organismos, nutrição, sistemas corporais, uso de substâncias psicoativas, imunoprevenção e métodos contraceptivos e doenças de transmissão sexual. As habilidades a serem adquiridas pelos alunos no campo da saúde reforçam um conceito restrito de saúde intensificando a cultura de uma assistência baseada na prevenção e não na promoção de saúde. A disseminação de uma educação pautada em um conceito restrito de saúde constitui um retrocesso na construção de sujeitos autônomos e críticos, na medida que abstém a responsabilidade do Estado de cumprir o que já é determinado pela legislação brasileira.

Resumen (en)

Reflecting how health topic has been approached in school institutions is very important because there is no single conception of the health-disease process. Health as a school content emerged in Brazil in 1971, and in recent decades, through different educational reforms, it has gained space in the curriculum disseminating different concepts of health. In 2017, the Ministry of Education presented the final version of the Common Base National Curriculum, which indicates the contents that should be taught in basic education schools in Brazil. Therefore, the study aimed to: apprehend the conception of health disclosed in the legal text of the National Base, identify which school contents are linked to health theme, and systematize which grades health contents are worked on. This is a descriptive, documentary study from primary written sources. Health in elementary school is worked on the contents: personal hygiene, diversity, domestic accidents, maintenance of auditory and visual health, bodily changes in life cycles, the transmission of microorganisms, nutrition, body systems, use of psychoactive substances, immunoprevention, contraceptive methods, and sexual transmission diseases. The skills to be acquired by students in the health field reinforce a restricted concept of health, intensifying the culture of assistance based on prevention and not on health promotion. The dissemination of education based on a restricted concept of health constitutes a setback in the education of autonomous and critical subjects, insofar as it abstains the State from the responsibility to comply with what is already determined by Brazilian law.

Resumen (es)

Reflexionar sobre cómo se ha abordado el tema de la salud en las instituciones escolares es fundamental, ya que no existe una concepción única del proceso salud-enfermedad. La salud como contenido escolar surgió en Brasil en 1971, y en las últimas décadas, a través de diferentes reformas educativas, ganó espacio en los planes de estudio que difunden diferentes conceptos de salud. En 2017, el Ministerio de Educación presentó la versión final de la Base Común del Currículo Nacional, que indica los contenidos que deberían enseñarse en las escuelas de educación básica en Brasil. Por lo tanto, el estudio tuvo como objetivo: comprender el concepto de salud divulgado en el texto legal de la Base Nacional, identificar qué contenido escolar está vinculado a la salud y sistematizar en cual serie de contenidos se trabaja la salud. Este es un estudio documental descriptivo de fuentes primarias escritas. La salud en la educación básica se trabaja en los contenidos: higiene personal, diversidad, accidentes domésticos, mantenimiento de la salud auditiva y visual, cambios corporales en los ciclos de vida, transmisión de microorganismos, nutrición, sistemas corporales, uso de sustancias psicoactivas, inmunoprevención, métodos anticonceptivos y enfermedades de transmisión sexual. Las habilidades que deben adquirir los estudiantes en el campo de la salud refuerzan un concepto restringido de salud, intensificando la cultura de asistencia basada en la prevención y no en la promoción de la salud. La difusión de una educación basada en un concepto restringido de salud constituye un retroceso en la educación de sujetos autónomos y críticos, en la medida en que exime al Estado de la responsabilidad de cumplir con lo que ya está determinado por la ley brasilera.

Biografía del autor/a

Cássia Aparecida Corna Stelle Stelle, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Unioeste

Graduanda em Enfermagem pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná-UNIOESTE. Foi bolsista pela Fundação Araucária pelo desenvolvimento de atividades de monitoria de anatomia humana do curso de Enfermagem no ano de 2017 e pelo desenvolvimento no projeto de pesquisa intitulado de Concepção de Saúde Incorporada pela Base Nacional Comum Curricular, de agosto de 2018 a julho de 2019. Também atuou como coordenadora de finanças do Centro Acadêmico de Enfermagem VII de novembro. Atualmente é bolsista pela Fundação Araucária pelo desenvolvimento no projeto de pesquisa intitulado Neoangiogênese Produzida Pelo Extrato de Syzygium Cumini em Lesões Cutâneas Induzidas em Ratos Diabéticos.

Referencias

BOCK, A. M. A adolescência como construção social: estudo sobre livros destinados a pais e educadores. Psicol. Esc. Educ., Campinas, v. 11, pp. 63-76. 2007. Doi.org/10.1590/S1413-85572007000100007.

https://doi.org/10.1590/S1413-85572007000100007

BOSCATTO, J. D.; IMPOLCETTO, F. M.; DARIDO, S. C. A Base Nacional Comum Curricular: uma proposição necessária para a Educação Física? Motrivivência, Florianópolis, v. 28, pp. 96-112. 2016. Doi.org/10.500/21758042.2016v28n48p96.

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2016v28n48p96

BOUZAS, I.; PACHECO, A.; EISENSTEIN, E. Orientação dos principais contraceptivos durante a adolescência. Adolescência & Saúde, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, pp. 27-33. 2004.

BRASIL. Lei 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1º e 2º graus, e dá outras providências. Brasília, 1971. Disponível em: <http://www.senado.gov.br>. Acesso em 20 abr. de 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. VIII Conferência Nacional de Saúde. Brasília, 1986.

BRASIL. Ministério da Saúde. Lei no 8080 de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília, 1990.

BRASIL. Ministério da Saúde. As Cartas da Promoção da Saúde. Brasília, 2002. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cartas_promocao.pdf>. Acesso em: 01 jun. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Ministério da Educação. Caderno do Gestor do PSE. Brasília, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: Educação é a Base. Brasília, 2018, pp. 1-600. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf>. Acesso em: 07 maio de 2018.

CÂNDIDO, R. K; GENTILINI, J. A. Base Curricular Nacional: reflexões sobre autonomia escolar e projeto político-pedagógico. Revista Brasileira de Política e de Administração da educação, Porto Alegre, v. 33, pp. 323-336. 2017. Doi 10.21573/vol33n22017.70269.

https://doi.org/10.21573/vol33n22017.70269

CARVALHO, E. J. G.; PICOLI, E. S. A. Políticas de flexibilizaçãoo curricular: uma análise sobre o Programa Ensino Médio Inovador (Proemi). Educere & Educare - Revista da Educação, v. 12, n. 242, pp. 1-20. 2007.

CARVALHO, J. M.; LOURENCO, S. O silenciamento de professores da Educação Básica pela estratégia de fazê-los falar. Pro-Posições, Campinas, v. 29, pp. 235-258. 2018. Doi.org/10.1590/1980-6248-2017-0007.

https://doi.org/10.1590/1980-6248-2017-0007

CASEMIRO, J. P. et al. Promover saúde na escola: reflexões a partir de uma revisão sobre saúde escolar na América Latina. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 3, pp. 829-840. 2014. Doi.org/10.1590/1413-81232014193.00442013.

https://doi.org/10.1590/1413-81232014193.00442013

PMid:24714896

COSTA, S.; GOMES, P. H. M.; ZANCUL, M. S. Educação em Saúde na escola na concepção de professores de Ciência e de Biologia. In: VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 2012. Anais [...] Campinas: Universidade Estadual de Campinas- Unicamp, 2012.

CZERESNIA, D. O conceito de saúde e a diferença entre prevenção e promoção. In: Promoção da Saúde: conceitos, reflexões, tendências. Ed. Fiocruz. Rio de Janeiro: Brasil, 2009, p. 43- 57.

https://doi.org/10.7476/9788575413531

FACCHINI, R. Especialistas veem retrocesso em supressão do termo 'orientação sexual' da base curricular. Jornal da Unicamp, São Paulo, 2017.

FERREIRA, M. S. Saúde uma questão de Estilo de vida? Radis, Rio de Janeiro, n. 78, pp. 19, 2009.

FERREIRA. W. B. O conceito de diversidade na BNCC: relações de poder e interesses ocultos. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 9, n. 17, pp. 299-319. 2015.

KUENZER, A. Z. Trabalho e escola: a flexibilização do Ensino Médio no contexto do regime de acumulação flexível. Educ. Soc., Campinas, v. 38, n. 139, pp. 331-354. 2017. Doi.org/10.1590/es0101-73302017177723

https://doi.org/10.1590/es0101-73302017177723

MACEDO, B. Base Nacional Comum para Currículos: Direto de aprendizagem e desenvolvimento para quem? Educ. Soc., Campinas, v. 36, n. 133, pp. 891-908. 2015.

https://doi.org/10.1590/ES0101-73302015155700

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. V. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostras e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. Ed. Atlas. São Paulo: Brasil, 2015.

MARSIGLIA, A. C. G.; et al. A Base Nacional Comum Curricular: um novo episódio de esvaziamento da escola no Brasil. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 9, pp. 107-121. 2017. Doi.org/10.9771/gmedv9i1.21835.

https://doi.org/10.9771/gmed.v9i1.21835

MODERNA. Base Nacional Comum Curricular: Ensino Fundamental: Material para o Professor. Ed. Moderna. São Paulo: Brasil, 2018.

PACHECO, S. S. M. O hábito alimentar enquanto um comportamento culturalmente produzido. In: FREITAS, M. C. S.; FONTES, G. A. V., OLIVEIRA, N. Escritas e narrativas sobre alimentação e cultura. EDUFBA, Salvador: Brasil, 2008, pp. 217-38.

PRIBERAN. Dicionário da Língua Portuguesa. Termo Diversidade. 2008-2013.

RABELLO, E. T.; PASSOS, J. S. Vytgotsky e o desenvolvimento humano. Portal Brasileiro de Análise Transacional, 2010, pp. 1-10 Disponível em <http://www.josesilveira.com>. Acesso em: 20 abr. 2020.

RUIZ, M. Alimentos naturales vs alimentos artificiais? Un problema real de nutrícion?: una proposta, de enseñanza para grado sexto a partir de las cuestones sociocientíficas. Góndola: Ensenãnza y aprendizaje de las Ciencias. v. 9, n. 1, 2014, pp. 62-77. Disponível em: <https://revistas.udistrital.edu.co/index.php/GDLA/article/view/7313/9011>. Acesso em: 10 jun. 2020.

SAVIANI, D. Escola e Democracia: Campinas: Autores Associados, 2012.

SAVIANI, D. Pedagogia Histórico- Crítica: primeiras aproximações. 11. ed. 1. Reimpr. Campinas: Autores Associados, 2012.

SILVA, P. R. et al. Concepciones de futuros professores de Biología, brasileros y portugueses sobre valores éticos de la ciencia. Góndola: Ensenãnza y aprendizaje de las Ciencias v. 6, n. 1, 2001, pp. 9-20. Disponível em:

<https://revistas.udistrital.edu.co/index.php/GDLA/article/view/5115/6729>. Acesso em: 11 maio 2020.

SÜSSEKIND, M. L. As (im) possibilidades de uma Base Comum Nacional. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 03, pp. 1512-1529. 2014.

TRAVASSOS, C.; CASTRO, M. S. M. Determinantes e desigualdades sociais no acesso e na utilização de serviços de saúde. In: GIOVANELLA, L. et al. Políticas e sistema de saúde no Brasil. Ed. Fiocruz, Rio de Janeiro: Brasil, pp.183-206. 2013.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação. Ed. Atlas. São Paulo: Brasil, 2013.

VIEIRA, L. J. E. S. et al. O lúdico na prevenção de acidentes em crianças de 4 a 6 anos. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, v. 18, pp. 78-84. 2012. Doi.org/10.5020/18061230.2005.p78

https://doi.org/10.5020/18061230.2005.p78

YOUNG, M. O futuro da educação em uma sociedade do conhecimento: o argumento radical em defesa de um currículo centrado em disciplinas. Revista Brasileira de Educação, v. 16, n. 48, pp. 609-810. 2011.

https://doi.org/10.1590/S1413-24782011000300005

YOUNG, M. Superando a crise na teoria do currículo: uma abordagem baseada no conhecimento. Cadernoscenpec, São Paulo, v. 3, n. 2, pp. 225-250. 2013. Doi.org/10.18676/cadernoscenpec.v3i2.238.

https://doi.org/10.18676/2237-998322013238

Cómo citar

APA

Conterno, S. de F., & Stelle, C. A. C. S. (2021). Concepção de saúde incorporada pela Base Nacional Comum Curricular Brasileira. Góndola, enseñanza y aprendizaje de las ciencias, 16(2). https://doi.org/10.14483/23464712.16135

ACM

[1]
Conterno, S. de F. y Stelle, C.A.C.S. 2021. Concepção de saúde incorporada pela Base Nacional Comum Curricular Brasileira. Góndola, enseñanza y aprendizaje de las ciencias. 16, 2 (may 2021). DOI:https://doi.org/10.14483/23464712.16135.

ACS

(1)
Conterno, S. de F.; Stelle, C. A. C. S. Concepção de saúde incorporada pela Base Nacional Comum Curricular Brasileira. Góndola enseñ. aprendiz. cienc. 2021, 16.

ABNT

CONTERNO, S. de F.; STELLE, C. A. C. S. Concepção de saúde incorporada pela Base Nacional Comum Curricular Brasileira. Góndola, enseñanza y aprendizaje de las ciencias, [S. l.], v. 16, n. 2, 2021. DOI: 10.14483/23464712.16135. Disponível em: https://revistas.udistrital.edu.co/index.php/GDLA/article/view/16135. Acesso em: 27 oct. 2021.

Chicago

Conterno, Solange de Fátima, y Cássia Aparecida Corna Stelle Stelle. 2021. «Concepção de saúde incorporada pela Base Nacional Comum Curricular Brasileira». Góndola, enseñanza y aprendizaje de las ciencias 16 (2). https://doi.org/10.14483/23464712.16135.

Harvard

Conterno, S. de F. y Stelle, C. A. C. S. (2021) «Concepção de saúde incorporada pela Base Nacional Comum Curricular Brasileira», Góndola, enseñanza y aprendizaje de las ciencias, 16(2). doi: 10.14483/23464712.16135.

IEEE

[1]
S. de F. Conterno y C. A. C. S. Stelle, «Concepção de saúde incorporada pela Base Nacional Comum Curricular Brasileira», Góndola enseñ. aprendiz. cienc., vol. 16, n.º 2, may 2021.

MLA

Conterno, S. de F., y C. A. C. S. Stelle. «Concepção de saúde incorporada pela Base Nacional Comum Curricular Brasileira». Góndola, enseñanza y aprendizaje de las ciencias, vol. 16, n.º 2, mayo de 2021, doi:10.14483/23464712.16135.

Turabian

Conterno, Solange de Fátima, y Cássia Aparecida Corna Stelle Stelle. «Concepção de saúde incorporada pela Base Nacional Comum Curricular Brasileira». Góndola, enseñanza y aprendizaje de las ciencias 16, no. 2 (mayo 13, 2021). Accedido octubre 27, 2021. https://revistas.udistrital.edu.co/index.php/GDLA/article/view/16135.

Vancouver

1.
Conterno S de F, Stelle CACS. Concepção de saúde incorporada pela Base Nacional Comum Curricular Brasileira. Góndola enseñ. aprendiz. cienc. [Internet]. 13 de mayo de 2021 [citado 27 de octubre de 2021];16(2). Disponible en: https://revistas.udistrital.edu.co/index.php/GDLA/article/view/16135

Descargar cita

Visitas

149

Dimensions


PlumX


Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.