Esporte como subsídio ao ensino de física: retrato das pesquisas brasileiras

Sport as a subsidy to physics teaching: portrait of brazilian research

  • Cleci Teresinha Werner da Rosa Universidade de Passo Fundo
  • Juliane Bison Universidade de Passo Fundo
  • Luiz Eduardo Schardong Spalding Universidade de Passo Fundo Curso de Física Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciêncas e Matemática
Palabras clave: contextualização do ensino, Ensino de Física, esporte, pesquisas nacionais (pt_BR)

Resumen (pt_BR)

O presente trabalho tem por objetivo identificar, na produção científica brasileira, a presença da temática “esporte” no ensino de Física. De forma mais específica, o estudo analisa artigos de periódicos nacionais de modo a verificar como o esporte tem sido utilizado como subsídio para ensinar conteúdos de Física. Para tanto, selecionou-se periódicos disponíveis on-line com Qualis A1, A2, B1, e B2 no sistema de avaliação da Capes, Área de Ensino, no período de 2005 a 2014. Do universo de 3.923 artigos investigados, nove apresentaram algum tipo de relação entre a Física e o esporte. Tais artigos foram analisados e classificados de modo a se identificar o foco de interesse da investigação, bem como a situação didática a que ele se refere. Como resultado, verificou-se a escassez de trabalhos envolvendo a temática.

 

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Cleci Teresinha Werner da Rosa, Universidade de Passo Fundo

Doutora em Educação Científica e Tecnologia

Graduação em Física e Matemática

Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática

Juliane Bison, Universidade de Passo Fundo
Discente do Curso de Física
Luiz Eduardo Schardong Spalding, Universidade de Passo Fundo Curso de Física Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciêncas e Matemática

Doutor em Engenharia Elétrica

Licenciado em docência

Referencias

Aguiar, C. e Rubini, G. (2004). Aerodinâmica da bola de Futebol. Revista Brasileira de Ensino de Física, 26(4), 297-306.

Bastos, P. (2011). Ciência complexificando o conhecimento cotidiano: uma intervenção na escola pública. Tese, Doutorado em Educação - Instituto de Física, Instituto de Química, Instituto de Biociências e Faculdade de Educação. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Bessa, V. (2008). Teorias de Aprendizagem. Curitiba: IESDE Brasil S.A.

Brasil, Ministério da Educação (2000). Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Média e Tecnológica.

Brasil, Ministério da Educação (2002). PCN+ Ensino Médio: orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais: ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica.

Delfim, T. e Jesus, V. (2011). Problema da simultaneidade na lei do impedimento do futebol. Revista Brasileira de Ensino de Física, 33(4), 1-5.

Gaya, A. (2000). Sobre o Esporte para Crianças e Jovens. Movimento, 13(2), I-XIV.

Gomes, M. (2005). Física e esporte. Ciência e Cultura, 57(3), 36-39.

González, D. (2013). Un modelo exactamente soluble para los marcadores en partidos de voleibol. Revista Brasileira de Ensino de Física, 35(2)1-8.

Guimarães, S. e Boruchovitch, E. (2004). O estilo motivacional do professor e a motivação intrínseca dos estudantes: uma perspectiva da teoria da autodeterminação. Psicologia: Reflexão e Crítica, 17(2), 143-150.

Kleiman, A. e Morales, S. (1999). Leitura e interdisciplinaridade: tecendo redes nos projetos da escola. Campinas: Mercado das Letras.

Machado, L. e Potiguar, F. (2011). Colisão inelástica com rotação relativa de um objeto de simetria esférica em um plano. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 28(3), 700-714.

Micha, D. e Ferreira, M. (2013). Física no esporte – Parte 1: saltos em esportes coletivos. Uma motivação para o estudo da mecânica através da análise dos movimentos do corpo humano a partir do conceito de centro de massa. Revista Brasileira de Ensino de Física, 35(3), p. 1-9.

Moreira, M. (2000). Ensino de Física no Brasil: retrospectiva e perspectivas. Revista Brasileira de Ensino de Física, 22(1), 94-99.

Pereira, D. (2010) O ato de aprender e o sujeito que aprende. Construção psicopedagógica, 18(16), 112-128.

Pimentel, R. et al. (2008). Temperatura do corpo humano durante a atividade física. A Física na Escola, 9(2), p. 29-32.

Rosa, C., Darroz, L. e Rosa, Á. (2014). Estudo das rampas para cadeirantes: uma proposta de tema interdisciplinar para o ensino médio. Revista Espaço Pedagógico, 21(1), 165-177.

Rosa, C., Darroz, L. e Rosa, Á. (2015). Interdisciplinaridade: concepção e aplicações no ensino de ciências. In: ROSA, C. T. W. (Org). Educação científica e tecnológica: reflexões e investigações (pp. 39-55). Passo Fundo: UPF Editora.

Santiago, R. e Martins, J. (2009). Interpretação física de um golpe do karatê: o Gyaku-zuki. A Física na Escola, 10(2), 19-21.

Santomé, J. (1998). Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado. Porto Alegre: Artmed.

Silva, A., Chispino, Á. e Fernandes, J. (2012). Como a física pode contribuir para melhorar o desempenho de atletas brasileiros nos XXXI Jogos Olímpicos de Verão de 2016. Revista Brasileira de Ensino de Física, 34(1), 1-14.

Triviños, A. (1994). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

Cómo citar
Rosa, C. T. W. da, Bison, J., & Spalding, L. E. S. (2015). Esporte como subsídio ao ensino de física: retrato das pesquisas brasileiras. Góndola, enseñanza Y Aprendizaje De Las Ciencias, 10(2), 49-62. https://doi.org/10.14483/10.14483/udistrital.jour.gdla.2015.v10n2.a03
Publicado: 2015-07-01
Sección
ARTÍCULOS