El inventario de estilos de aprendizaje de David Kolb y los profesores de ciencias y matemáticas: diálogo sobre el método de enseñanza

Palabras clave: estilos de aprendizaje, enseñanza de ciencias y matemáticas, David Kolb, diálogo

Resumen

El aprendizaje es un proceso que ha sido ampliamente estudiado por diferentes campos de estudio. Entre las diferentes concepciones sobre el aprendizaje, algunos modelos sugieren la existencia de formas de aprender particulares de cada individuo. Sin embargo, esta información pasa desapercibida para los profesores, quienes inconscientemente aumentan la falta de reciprocidad entre los modos de aprendizaje y las formas de enseñanza. En este trabajo presentamos un análisis de una entrevista aplicada a maestros de ciencias naturales y matemáticas, donde se evidencia la relación entre la forma en que el maestro enseña el contenido de la ciencia y las matemáticas, y la forma de aprender de sus estudiantes. Utilizando el inventario de estilos propuestos por el psicólogo y teórico de la educación David Kolb, cuya teoría se basa en el aprendizaje experimental, se identificaron en los 105 estudiantes del tercer año sus estilos de aprendizaje en la escuela secundaria. A través de la entrevista se les preguntó a los maestros de física, química, biología y matemáticas, con un total de nueve profesores encuestados, las variables sociodemográficas como el nivel educativo, la estructura de la escuela en donde trabajan y las dificultades para llevar a cabo la práctica de la enseñanza, además de los conocimientos de las formas individuales de aprendizaje y sus preferencias didácticas. En general, encontramos que los maestros de ciencias y matemáticas entrevistados crean involuntariamente una forma particular de la enseñanza y esto, combinado con poco conocimiento acerca de los estilos de aprendizaje, termina llevando a los profesores a ignorar los diferentes conocimientos de sus estudiantes. A pesar de ello, es posible resaltar que hubo una comprensión por parte de los profesores cuando participaron de la intervención aplicada, en el sentido de que reconocen las diferencias individuales de los alumnos en la adquisición de conocimientos.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Thiago Vicente de Assunção, Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE, Brasil.
Mestrando em Ensino das Ciências pelo programa de  Pós-graduação em Ensino das Ciências da Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE. Licenciado em física pela Universidade Católica de Pernambuco – UNICAP.  Recife -  PE (Brasil).
Robson Raabi do Nascimento, Faculdade de Ciências e Tecnologia de Pernambuco – FATECPE, Brasil.
Mestre em Ensino das Ciências pelo programa de  Pós-graduação em Ensino das Ciências da Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE. Professor da Faculdade de Ciências e Tecnologia de Pernambuco – FATECPE. Professor da Secretaria de Educação de Pernambuco – SEPE. Recife - PE (Brasil).

Referencias

BELO, E. do S.V.; GONÇALVES, T. A formação de professor de matemática pela ótica dos docentes formadores. In: GONÇALVES, T.V.O.; MACÊDO, F.C. da S.; SOUZA, F.L. Educação em ciências e matemáticas: debates contemporâneos sobre ensino e formação de professores. Editora Penso. Porto Alegre: Brasil, 2015. pp. 113-127.

Benite, A.M.C.; Benite, C.R.M. O laboratório didático no ensino de química: uma experiência no ensino público brasileiro. Revista Iberoamericana de Educación, Madrid, Espanha, v. 48, n. 2, pp. 1-10, 2009.

BEREZUK, P.A.; INADA, P. Avaliação dos laboratórios de ciências e biologia das escolas públicas e particulares de Maringá, Estado do Paraná. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, Maringá, PR, v. 32, n. 2, pp. 207-215, 2010. DOI: 10.4025/actascihumansoc.v32i2.6895

https://doi.org/10.4025/actascihumansoc.v32i2.6895

Bogdan, R.C; Biklen, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Editora Porto. Porto: Portugal, 1994.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais. Ensino Médio. Brasília, 2002.

Brousseau, G. Foundaments et Méthods de la Didactique des Mathématiques. Researches en Didactique des mathématiques, Amiens, França, v. 7, n. 2, pp. 33-115, 1986.

Brockington, G.; Pietrocola, M. Serão as Regras da Transposição Didática Aplicáveis aos Conceitos de Física Moderna?. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, RS, v. 10, n. 3, pp. 387-404, 2005.

CHAGAS, S.M.A.; MARTINS, I. O laboratório didático nos discursos de professores de física: Heterogeneidade e intertextualidade. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, SC, v. 26, n. 3, p. 625-649, 2009.

https://doi.org/10.5007/2175-7941.2009v26n3p625

CERQUEIRA, T.C.S. Estilos de aprendizagem em universitários. 179 páginas. Tese de doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP, 2000. Disponível em: < http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/253390> Visitado em: 08, dez., 2017.

Custódio, J.F.; Clement, L.; Ferreira, G.K. Crenças de professores de física do ensino médio sobre atividades didáticas de resolução de problemas. Revista Electrónica de Ense-anza de las Ciencias, Vigo, Espanha, v. 11, n. 1, pp. 225-252, 2012.

Denig, S.J. Mutiple intelligences and learning styles: Two complementary dimensions. Teachers College Record, Nova York, EUA, v. 106, n. 1, pp. 96-111, 2004.

Dias, G.P.P.; Sauaia, A.C.A.; Yoshizaki, H.T.Y. Estilos de aprendizagem Felder-Silverman e o aprendizado com jogos de empresa. RAE-Revista de Administração de Empresas, Bela Vista, SP, v. 53, n. 5, 2013.

Dib, C.Z. Estrategias no formales para la innovación en educación: concepto, importancia y esquemas de implementación. In: International Conference Science And Mathematics Education For The 21st. Century: Towards Innovatory Approaches, 1994, Concepción, Chile. Proceedings: Universidad de Concepcion. 1994. pp. 608-616.

Domingues, J.J.; Toschi, N.S.; De Oliveira, J.F. A reforma do ensino médio: a nova formulação curricular e a realidade da escola pública. Educação & Sociedade, Campinas, SP, v. 21, n. 70, pp. 63-79, 2000.

https://doi.org/10.1590/S0101-73302000000100005

Dunn, R; Dunn, K. Teaching students through their individual learning styles. Reston Publishing, Virginia: Estados Unidos, 1978.

Faria, L. Teorias implícitas da inteligência: estudos no contexto escolar português. Paidéia, Ribeirão Preto, SP, v. 12, n. 23, pp. 93-103, 2002.

https://doi.org/10.1590/S0103-863X2002000200007

FILHO, G.A. et al. Estilos de aprendizagem x desempenho acadêmico – uma aplicação do teste de Kolb em acadêmicos no curso de ciências contábeis. In: CONGRESSO USP DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE. Volume 8, pp. 1-15. São Paulo – SP. Anais USP 2008. Meio de divulgação digital. 2008.

Felder, R.M.; Silverman, L. K. Learning and teaching styles in engineering education. Engineering Education, Medford, EUA, v. 78, n. 7, pp. 674-681, 1988.

FOUREZ, Gérard. Crise no ensino de ciências?. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, RS, v. 8, n. 2, pp. 109-123, 2003.

Flores, M.A. Algumas reflexões em torno da formação inicial de professores. Educação, Porto Alegre, RS, v. 33, n. 3, pp. 182-187, 2010.

Guimarães, Y.; Giordan, M. Instrumento para construção e validação de sequências didáticas em um curso a distância de formação continuada de professores. VIIII Encontro Nacional De Pesquisa em Educação em Ciências. Campinas, 2011.

HAGE, S.M. A realidade das escolas multisseriadas frente às conquistas na legislação educacional. Anais da 29ª Reunião Anual da ANPED: Educação, Cultura e Conhecimento na Contemporaneidade: desafios e compromissos manifestos. Caxambu: ANPED. CD ROM, 2006. Disponível em: < http://29reuniao.anped.org.br/trabalhos/posteres/GT13-2031--Int.pdf> Visitado em: 20, abril, 2018.

HAWK, T.F.; SHAH, A.J. Using learning style instruments to enhance student learning. Decision Sciences Journal of Innovative Education, Manila, Filipinas, v. 5, n. 1, pp. 1-19, 2007. DOI: 10.1111/j.1540-4609.2007.00125.x

https://doi.org/10.1111/j.1540-4609.2007.00125.x

Kolb, D.A. Experiential learning: Experience as the source of learning and development. Prentice-Hall. New Jersey: Estados Unidos, 1984.

KOLB, D.A. et al. Experiential learning theory: Previous research and new directions. In: STERNBERG, J.R.; ZHANG, L.-F., Perspectives on thinking, learning, and cognitive styles. v. 1, n. 8, Routledge Taylor & Francis Group. Nova York: Estados Unidos, 2001. pp. 227-247.

KOLB, A.Y.; KOLB, D.A. Learning styles and learning spaces: Enhancing experiential learning in higher education. Academy of Management Learning & Education, Nova York, EUA, v. 4, n. 2, pp. 193-212, 2005. DOI: 10.5465/AMLE.2005.17268566

https://doi.org/10.5465/amle.2005.17268566

LEMOS, Gina et al. Inteligência e rendimento escolar: análise da sua relação ao longo da escolaridade. Revista Portuguesa de Educação, Braga, Portugal, v. 21, n. 1, pp. 83-99, 2008.

LIRA, B. O professor Sociointeracionista e a Inclusão Escolar. 2. ed. Editora Paulinas. São Paulo: Brasil, 2010. pp.11-12.

LOPES, W.M.G. ILS-inventário de estilos de aprendizagem de Felder-Saloman: investigação de sua validade em estudantes universitários de belo horizonte. 108 páginas. Programa de pós-graduação em Engenharia de Produção, mestrado em engenharia de produção. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/82278. Visitado em: 07, out., 2017.

Mainemelis, C.; Boyatzis, R.E.; Kolb, D.A. Learning styles and adaptive flexibility: Testing experiential learning theory. Management Learning, Thousand Oaks, EUA, v. 33, n. 1, pp. 5-33, 2002.

Moretto, V.P. Prova: um momento privilegiado de estudo, não um acerto de contas. ed. 9. Editora Lamparina. Rio de Janeiro: Brasil, 2010. pp. 49-72.

Moreira, M.A. Teorias de aprendizagem. Editora Pedagógica e Universitária. São Paulo: Brasil, 1999. pp. 139-149.

Nardi, R. Questões atuais no ensino de ciências. ed. 2. Editora Escrituras Editora e Distribuidora de Livros Ltda. São Paulo: Brasil, 2005.

Pimentel, A. A teoria da aprendizagem experiencial como alicerce de estudos sobre desenvolvimento profissional. Estudos de Psicologia, Natal, RN, v. 12, n. 2, pp. 159-186. 2007.

https://doi.org/10.1590/S1413-294X2007000200008

Silva, F.H.S. Modelagem matemática na escola. In: GONÇALVES, T. V. O; MACÊDO, F. C; SOUZA, L. F. Educação em ciências e matemáticas: Debates contemporâneos sobre ensino e formação de professores. Editora Penso. Porto Alegre: Brasil, 2015. pp. 45-54.

REID, J.M. The learning style preferences of ESL students. TESOL Quarterly, v. 21, n. 1, pp. 87-111, 1987. DOI: 10.2307/3586356

https://doi.org/10.2307/3586356

Saviani, D. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, RJ, v. 14, n. 40, pp. 143-155, 2009.

https://doi.org/10.1590/S1413-24782009000100012

Sobral, D.T. Inventário de estilos de aprendizagem de Kolb: Características e relação com resultados de avaliação no ensino pré-clinico. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, DF, v. 8, n. 3, pp. 293-303, 1992.

Trevelin, A.T.C. Estilos de aprendizagem de Kolb: Estratégias para a melhoria do ensino-aprendizagem. Journal of Learning Styles, Madrid, Espanha, v. 4, n. 7, pp. 217-230, 2011.

Cómo citar
de Assunção, T., & do Nascimento, R. (2018). El inventario de estilos de aprendizaje de David Kolb y los profesores de ciencias y matemáticas: diálogo sobre el método de enseñanza. Góndola, Enseñanza Y Aprendizaje De Las Ciencias, 14(1). https://doi.org/10.14483/23464712.12942