As representações do corpo humano nos livros didáticos de ciências

Human Body Representations in Didactic Books of Science

Representaciones del cuerpo humano en libros de texto de ciencias

  • Emerson de Lima Soares Universidade Federal de Santa Maria-UFSM
  • Cátia Silene Carrazoni Lopes Viçosa Universidade federal de Santa Maria/UFSM
  • Edward Frederico Castro Pessano Universidade Federal do Pampa-UNIPAMPA
  • Vanderlei Folmer Universidade Federal do Pampa-UNIPAMPA
Palabras clave: didactic body, biosocial body, textbook (en_US)
Palabras clave: cuerpo didáctico, cuerpo biosocial, libro de texto (es_ES)
Palabras clave: corpo didático, corpo biossocial, livro didático (pt_BR)

Resumen (pt_BR)

Vários autores têm ressaltado que o Livro Didático (LD) ainda possui um importante papel no processo de ensino e aprendizagem, sendo muitas vezes o principal e único recurso educacional a disposição dos professores (as). Desta forma, neste trabalho analisaremos as representações do corpo humano nos LD de ciências adotados por uma escola pública municipal da cidade de Uruguaiana/RS. No contexto da escrita entendemos que as percepções do corpo perpassam por uma construção histórica e cultural, constituída a partir das relações vividas pelos sujeitos. O presente estudo teve um caráter qualitativo de investigação, fundamentado na análise de conteúdo de Bardin, em que procuramos identificar as representações do corpo humano nas mensagens, características, estruturas, conteúdos e figuras presentes nos livros. Para tanto, montamos uma matriz analítica com perguntas norteadoras relacionadas a abordagem do corpo presente nos LD. Os resultados demonstram que os conteúdos nos LD seguem o mesmo padrão, ou seja, um corpo dividido em partes, como se o corpo humano fosse apenas formado por membros, órgãos e tecidos. Apresentam uma divisão minuciosa do conteúdo, desde a organização celular, conceitos, estruturas, e ainda, as imagens são todas apresentadas de maneira fragmentada, seguindo sempre padrões normativos. Os livros analisados trazem em seus capítulos espaços para discussões sobre o corpo biossocial, de maneira bem elaborada, contemplando diferentes visões, como a sexualidade além da reprodução humana. Acreditamos que estas questões devam fazer parte dos Projetos Políticos Pedagógicos (PPP) das escolas e do sistema de ensino como um todo, pois deste modo serão realizados mais projetos contemplando a questão. Contudo, ainda cabe ao professor (a) realizar essa abordagem, e se, tais questões não estão contempladas nos LD, ele deve ter em mente que, se somos seres pensantes, nosso corpo é muito mais que componentes orgânicos, e assim buscar os meios para realizar essa abordagem.

Resumen (en_US)

Several authors have pointed out that Didactic Book still plays an important role in the teaching and learning process, and is often the main, and the only educational resource available to teachers. In this way, we will analyze human body representations in Didactic Books of science adopted by a municipal public school in the city of Uruguaiana/RS. In the context of writing, we understand that body's perceptions permeate a historical and cultural construction, constituted from the relationships lived by the subjects in society. This study is a qualitative research, based on the content analysis of Bardin, in which we seek to identify human body representations in the messages, characteristics, structures, contents, and figures present in books. For this, we set up an analytical matrix with guiding questions related to the approach of the body, showed in didactic books. The results demonstrate that the contents follow the same pattern, that is, a body divided into parts like a human body just formed by limbs, organs, and tissues. They present a detailed division of content, from the cellular organization, concepts, structures, and the images are presented in a fragmented way, always following normative standards. We found these books dedicate spaces to analyze and discuss the biosocial body, in a well-elaborated way, contemplating different visions, such as sexuality beyond human reproduction. We believe that these issues should be part of the Political Education Projects (PPPs) of schools and the educational system as a whole because in this way more projects will be carried out contemplating the issue. However, it is still up to the teacher to take this approach, and if such issues are not addressed in the LD, he should keep in mind that if we are thinking beings, our body is much more than organic components, and so seek means to carry out this approach.

Resumen (es_ES)

Varios autores han mostrado que el libro de texto aún cumple un importante papel en el proceso de enseñanza y aprendizaje, siendo muchas veces el principal y único recurso educativo a disposición de los profesores. Partiendo de este punto, analizaremos en este trabajo las representaciones del cuerpo humano en los libros de texto de ciencias, adoptados por una escuela pública municipal de la ciudad de Uruguaiana/RS. En el contexto de la escritura entendemos que las percepciones del cuerpo atraviesan por una construcción histórica y cultural, constituida a partir de las relaciones vividas por los sujetos. El presente estudio tuvo un carácter cualitativo de investigación, fundamentado en el análisis de contenido de Bardin, en el que tratamos de identificar las representaciones del cuerpo humano en los mensajes, características, estructuras, contenidos y figuras presentes en los libros. Para ello, montamos una matriz analítica con preguntas orientadoras relacionadas con las maneras de entender el cuerpo, presentes en los libros de texto. Los resultados demuestran que los contenidos siguen el mismo patrón en los diferentes libros, es decir, un cuerpo dividido en partes, como si el cuerpo humano estuviera solo formado por miembros, órganos y tejidos. Se presenta una división minuciosa del contenido, desde la organización celular, conceptos, estructuras, y aun, las imágenes son todas presentadas de manera fragmentada, siguiendo siempre patrones normativos. Los libros analizados traen en sus capítulos espacios para discusiones sobre el cuerpo biosocial, en forma elaborada, contemplando diferentes visiones, como la sexualidad más allá de la reproducción humana. Creemos que estas cuestiones deben formar parte de los proyectos políticos pedagógicos (PPP) de las escuelas y del sistema de enseñanza como un todo, pues de este modo se realizarán más proyectos contemplando esta temática. Sin embargo, entendemos que corresponde al profesor(a) realizar este enfoque, y si, tales cuestiones no están contempladas en los libros, es el profesor quien debe tener en mente que, si somos seres pensantes, nuestro cuerpo es mucho más que componentes orgánicos, y así buscar los medios para realizar este enfoque.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Emerson de Lima Soares, Universidade Federal de Santa Maria-UFSM
Mestrando no PPG Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde-UFSM; Cursa Especialização EAD em Educação Especial e Inclusiva- FAEL; Licenciado em Ciências da Natureza- Unipampa; Integrante do Grupo de Estudos em Nutrição, Saúde e Qualidade de Vida (GENSQ)/Unipampa. 
Cátia Silene Carrazoni Lopes Viçosa, Universidade federal de Santa Maria/UFSM
Mestranda no PPG Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde-UFSM; Cursa Especialização EAD em Educação Especial e Inclusiva- FAEL; Licenciada em Ciências da Natureza- Unipampa; Integrante do Grupo de Estudos em Nutrição, Saúde e Qualidade de Vida (GENSQ)/Unipampa
Edward Frederico Castro Pessano, Universidade Federal do Pampa-UNIPAMPA
Doutor em Educação em Ciências-UFSM; Mestre em Educação em Ciências-UFSM; Especialista em Educação Ambiental-FACISA; Graduado em Ciências Biológicas- PUCRS; Docente Unipampa/Campus Uruguaiana. Integrante do Grupo de Estudos em Nutrição, Saúde e Qualidade de Vida (GENSQ); Integrante do Núcleo de Pesquisas Ictiológicas, Limnológicas e Aquicultura da Bacia do Rio Uruguai (NUPILABRU); Grupo de Ação Interdisciplinar Aplicada (UNIGAIA).
Vanderlei Folmer, Universidade Federal do Pampa-UNIPAMPA
Pós doutorado em Bioquímica-Universidade de Lisboa/Portugal; Doutorado em Bioquímica/UFSM; Mestrado em Educação em Ciências-UFRGS; Graduado em Fisioterapia/UFSM e em Letras-Português/Universidade Paulista (UNIP); Docente Unipampa/Campus Uruguaiana; Coordenador do Grupo de Estudos em Nutrição, Saúde e Qualidade de Vida (GENSQ)/Unipampa. 

Referencias

ALVES, R. Estórias de quem gosta de ensinar. 5. ed. Cortez. São Paulo: Brasil, 1985.

BARBOSA, M.R.; MATOS, P.M.; COSTA, M.E. Um olhar sobre o corpo: o corpo ontem e hoje. Psicologia & Sociedade, São Paulo: Brasil, V. 23, n. 1, 24-34. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/psoc/v23n1/a04v23n1. Acesso em 10 de jun de 2016.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Edições 70. São Paulo: Brasil, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. FNDE. Funcionamento. Brasília: Brasil, 2006. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/programas/ livrodidatico/livro-didatico-funcion. Acesso em 20 de jun. de 2016,

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais– Ciências Naturais. Brasília, 1997. 90 p.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Introdução. Brasília: Brasil, 1998.

BRUHNS, H.T. (org.) Conversando sobre o corpo. 5. ed. Papirus. Campinas: Brasil. 1994.

BUSSOLETTI, D.; MOLON, S. I. Diálogos pelas alteridades. In.MORAIS, A. M. P de; MENEZES. M; SALOMÃO. S. R. O corpo humano como biocultural: referências africanas para a abordagem do corpo humano nas séries iniciais do ensino fundamental. Revista da SBEnBio - Número 7. Rio de Janeiro: Brasil, 2014. Disponível em: http://www.sbenbio.org.br/wordpress/wpcontent/uploads/2014/11/R0527-2.pdf.Acesso em: 10 de out de 2016.

CAMACHO, R. C. S. As repercussões do currículo oculto na sociedade.Trabalho Acadêmico Apresentado na Disciplina de Educação da Universidade da Madeira. Funchal: Portugal. 2010. Disponível em: https://pt.slideshare.net/rakellcsc/curriculo-oculto. Acesso em: Out de 2016.

CARNEIRO, M.H.S.; SANTOS, W.L.P.; MÓL, G.S. Livro Didático Inovador e Professores: uma tensão a ser vencida. Revista Ensaio-Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte: Brasil. v. 7, n, 2. pp. 1-13. 2005. Disponível em: https://seer.ufmg.br/index.php/ensaio/article/view/8203/6158. Acesso em: Out de 2016.

DAOLIO, J. Da cultura do corpo. Ed. Papirus, Campinas: Brasil.1995.

FAUSTO-STERLING, A. Sexing the Body: Gender Politics and the Construction of Sexuality. New York: Basic Books. (2000). Disponível em: https://libcom.org/files/FaustoSterling%20%20Sexing%20the%20Body.pdf. Acesso em: Out de 2016.

FREIRE, P. A educação na cidade. 7 ed. Cortez. São Paulo: Brasil, 2006.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Trad. RAMALHETE, R. 40 ed. Vozes. Petrópolis: Brasil, 2012.

GAVIDIA, V. A construção do conceito de transversalidade. In: ÁLVAREZ, N. et al. (org.). Valores e temas transversais no currículo. Artmed. Porto Alegre: Brasil, p.15-30. 2002.

GOELLNER, S. (org.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Vozes, Petrópolis: Brasil. 2003. p. 28-40.

GROSSI, E.P. (1990). A contribuição da psicologia na educação. Em Aberto. Brasília: Brasil. V. 9, pp. 45-49. In. Ferreira, M. E. M. P. O corpo segundo Merleau-Ponty e Piaget. Revista Ciências & Cognição (2010); Vol 15 n. 3: pp. 047-061. 1990. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/cc/v15n3/v15n3a06.pdf. Acesso em: 16 de out. 2016.

HEERDT, B.; BATISTA, I.L. Unidade didática na formação docente: natureza da ciência e a visibilidade de gênero na ciência. Revista Experiências em Ensino de Ciências. Porto Alegre: Brasil. v. 11, n. 2, pp. 30-60. 2000. Disponível em: http://if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID310/v11_n2_a2016.pdf. Acesso em: 29 de out. 2016.

JANEIRO, A.R.; PECHULA, M.R. Anatomia: uma ciência morta? O conceito “arte-anatomia” através da história da biologia. Revista Experiências em Ensino de Ciências. Porto Alegre: Brasil, v. 11, No. 1, 12-30. 2016. Disponível em: http:// if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID296/v11_n1_a2016.pdf. Acesso em: 18 de out. 2016.

JOÃO, R.B; BRITO, M. Pensando a corporeidade na prática pedagógica em educação física à luz do pensamento complexo. Rev. Bras. Educ. Fís. Esp., São Paulo: Brasil, v. 18, n. 3, pp. 263-72, jul./set. 2004.

KINDEL, E.A.I. Práticas pedagógicas em ciências: espaço, tempo e corporeidade. Edelbra. Erechim, Brasil. 2012.

KOFES, S. E sobre o corpo, não é o próprio corpo que fala? Ou, o discurso desse corpo sobre o qual se fala. In: BRUHNS, H.T. (org.). Conversando sobre o corpo. 5. ed. Papirus. Campinas: Brasil, 1994. 107 p.

LANES, D.V.C. et al. A recreação como ferramenta metodológica para abordar sexualidade e gênero na educação infantil. Revista Experiências em Ensino de Ciências. Porto Alegre: Brasil. V. 8, N. 2, pp. 95-103. 2013. Disponível em: http:// if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID215/v8_n2_a2013.pdf. Acesso em: 10 de out. 2016.

LANES, K.G. et al. Sobrepeso e obesidade: implicações e alternativas no contexto escolar. Revista Ciências&Ideias, V. 3, n. 1, pp. 1-18. Brasil, 2011. Disponível em: http://revistascientificas.ifrj.edu.br:8080/revista/index.php/reci/article/view/77/12. Acesso em 18 de out. 2016.

LARA, S. et al. Trabalhando a interdisciplinaridade com o Tema Transversal saúde na formação inicial de estudantes do Curso Normal. Revista Ciências&Ideias, Brasil, v. 6, n. 2, pp. 116-134. 2015. Disponível em: http://revistascientificas.ifrj.edu.br:8080/revista/index.php/reci/article/view/379. Acesso em: 18 de out. 2016.

LE BRETON, D. Antropologia do corpo e modernidade. Trad. DOS SANTOS CREDER, F. Vozes. Petrópolis: Brasil, 2012.

LUCKESI, C.C. Filosofia da Educação. Cortez. São Paulo: Brasil, 1994.

MALLMANN, E.M. Pesquisa-ação educacional: preocupação temática, análise e interpretação crítico-reflexiva. Cadernos de Pesquisa. São Paulo: Brasil, v. 45 n. 155, 76-98. 2015. Acesso em: 11 de out. 2016, http://www.scielo.br/pdf/cp/v45n155/1980-5314-cp-45-155-00076.pdf.

MARTINS, I.P. et al. Explorando...: a complexidade do corpo humano: guião didácticopara professores. Lisboa: Direção-Geral da Educação.2012. Disponível em: http://www.dge.mec.pt/sites/default/files/Basico/Documentos/explorando_complexidade_corpo_humano.pdf. Acesso em: 17 out. 2016.

MENDES, M.I.B.S.; NÓBREGA, T.P. Corpo, natureza e cultura: contribuições para a educação. Revista Brasileira de Educação. São Paulo: Brasil, n. 7. 2004.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. 3ª ed. Martins Fontes. São Paulo: Brasil, 2006.

MORAES, V.R.A de; GUIZZETTI, R.A. Percepções de alunos do terceiro ano do Ensino Médio sobre o corpo humano. Ciênc. Educ., Bauru, Brasil, 2016. v. 22, n. 1, 253-270.

MOREIRA, B.L.R. et al. Educação sexual na escola: implicações para a práxis dos adultos de referência a partir das dúvidas e curiosidades dos adolescentes. Revista Electrónica de Enseñanza de lãs Ciencias, Barcelona: Espanha, Vol. 10, No. 1, 64-83. 2011. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5505787. Acesso em: 07 de out. 2016.

MOREIRA, B.L.R.; FOLMER, V. Percepções de professores de ciências e educação física acerca da educação sexual na escola. Revista Experiências em Ensino de Ciências, Porto Alegre: Brasil. V. 10, No 2, pp. 150-163., 2015. Disponível em: http://if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID282/v10_n2_a2015.pdf. Aceso em: 18 de out. 2016.

MOSCOVICI, S. Representações Sociais: Investigações em Psicologia Social. Trad. GUARESCHI, P.A. 7. ed. Vozes. Petrópolis: Brasil. 2010.

NEHM, R.H.; YOUNG, R. “Sex Hormones” in Secondary School Biology Textbooks. Science and Education, v. 17, n. 10, pp. 1175–1190. 2008. Doi: 10.1007/s11191-008-9137. Disponível em: http://if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID310/v11_n2_a2016.pdf. Acesso em: 29 de out. 2016.

OLIVEIRA, S. Texto visual, estereótipos de gênero e o livro didático de língua estrangeira. Trabalhos de Lingüística Aplicada Campinas, Brasil, v. 47, n. 1, pp. 91-117. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.hp?pid=S010318132008000100006&script =sci_abstract&tlng=pt. Acesso em Out de 2016.

OSSAK, A.; BELLINI, M. O livro didático em ciências: condutor docente ou recurso pedagógico? Ensino, Saúde e Ambiente, Rio de Janeiro:Brasil.v. 2, n. 3, p 2-22, 2009. Disponível em: http://ensinosaudeambiente.uff.br/index.php/ensinosaudeambiente/issue/view/11. Acesso em: Out de 2016.

PRADO, V.M.; RIBEIRO, A. M. Gêneros, sexualidades e educação física escolar: um início de conversa. Motriz, Rio Claro: Brasil. v.16, n.2, pp. 402-413.

RICARDO, M.C.P. et al. Educação em relações humanas para sexualidade no ensino fundamental. Revista Experiências em Ensino de Ciências. Porto Alegre: Brasil. V. 10, N. 2, pp. 119-130. 2015. Disponível em: http://if.ufmt.br/eenci/ artigos/Artigo_ID280/v10_n2_a2015.pdf.Acesso em: 24 de Nov.2015.

SANTOS, M. E. T. et al. Tema Transversal saúde no contexto escolar: análise da formação e da prática pedagógica docente nos anos iniciais da Educação Básica. Revista Ciências&ideias, Rio de Janeiro: Brasil. v. 7, n. 1, pp. 85-101. 2016. Disponível em: http://revistascientificas.ifrj.edu.br:8080/revista/index.php/reci/article/view/471. Acesso em: 17 de out. 2016.

SANTOS, M.E.T. et al. A Saúde enquanto Tema Transversal em Livros Didáticos de Ciências para os Anos Iniciais do Ensino Fundamental. Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, Santa Catarina: Brasil, v.8, n.1, pp. 53-73. 2015. Disponível em: file:///C:/Users/Emersom/Downloads/38704-128208-1-SM.pdf. Acesso em: 03 de dez. 2016.

SIGANSKI, B.P.; FRISON, M.D.; BOFF. E. T. de O. (2008). O Livro Didático e o Ensino de Ciências. In: XIV ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE QUÍMICA (XIV ENEQ). 2008. Disponível em: http://www.quimica.ufpr.br/eduquim/eneq2008/resumos/R0468-1.pdf. Acesso em: 03 de set. de 2016. pp, 1-13.

SOUZA, N. G. S; CAMARGO, T. S. O corpo no ensino de ciências: serão possíveis outras abordagens. In: SILVA, F. F.; MELLO, E. M. B. (org.).Corpos, gêneros, sexualidade e relações étnico-raciais na educação. Unipampa. Uruguaiana, RS: Brasil. pp. 28-41. 2011.

VASCONCELOS, S.D.; SOUTO, E. O livro didático de ciências no ensino fundamental – proposta de critérios para análise do conteúdo zoológico. Ciência & Educação, Rio de Janeiro, Brasil, v. 9, n. 1, pp. 93-104. 2003. https://doi.org/10.1590/S1516-73132003000100008

Cómo citar
de Lima Soares, E., Carrazoni Lopes Viçosa, C. S., Castro Pessano, E. F., & Folmer, V. (2018). Representaciones del cuerpo humano en libros de texto de ciencias. Góndola, enseñanza Y Aprendizaje De Las Ciencias, 13(1), 55. https://doi.org/10.14483/23464712.12018
Publicado: 2018-01-01
Sección
ARTÍCULOS