DOI:

https://doi.org/10.14483/23464712.17388

Publicado:

2022-02-03

Número:

Vol. 17 Núm. 1 (2022): v17, n1, 2022

Sección:

ARTÍCULOS

Concepção de professores dos anos iniciais sobre a natureza da ciência e atividades experimentais

Conception of elementary school teachers about the nature of science and experimental activities

Concepción de los docentes de educación primaria sobre la naturaleza de la ciencia y las actividades experimentales

Autores/as

  • Geovana kliemann Universidade do Vale do Taquari - UNIVATES https://orcid.org/0000-0003-4331-1928
  • Maria Madalena Dullius Univates
  • Italo Gabriel Neide Univates

Palabras clave:

Concepção, Natureza da Ciência, Atividades Experimentais, Formação Continuada de Professores, Professores dos Anos Iniciais. (pt).

Palabras clave:

Naturaleza de la Ciencia, Concepción, Actividades Experimentales, Formación Continua del Profesorado, Docentes de Educación Primaria (es).

Palabras clave:

Conception, Nature of Science, Experimental Activities, Continuing Teacher , Training, Elementary School Teachers (en).

Resumen (pt)

O presente texto orienta-se a apresentar um estudo desenvolvido a partir de um questionário respondido por 33 professores dos Anos Iniciais, de um município da região do Vale do Taquari, Rio Grande do Sul. O referido questionário foi a ação inicial de um processo de formação continuada, com ênfase em atividades experimentais investigativas na área das Ciências Exatas. O foco do estudo, de cunho qualitativo é socializar e discutir sobre as concepções dos participantes sobre a natureza da ciência e atividades experimentais. A partir da análise às respostas ao questionário, é possível evidenciar uma visão não construtivista dos professores sobre ciências e que poucas vezes atividades experimentais são propostas em suas aulas, principalmente, devido à insegurança. Admitem sua limitação em relação a inserção de novas práticas de ensino nesta área, declaram nunca terem participado de uma formação direcionada ao ensino de Ciências e relatam preferência por participarem de formações em que se proponham atividades práticas, que possam ser levadas para sala de aula. Ademais, as atividades experimentais quando propostas, geralmente visam testar ou transmitir conhecimentos relacionados ao contexto biológico. Tais aspectos podem estar relacionados à compreensão equivocada dos participantes, quanto a natureza da ciência.

Resumen (en)

This text presents a study developed from a questionnaire answered by 33 teachers from the Elementary School, from a municipality in the Vale do Taquari region, Rio Grande do Sul. The questionnaire was the initial action of a process of continuing education, with an emphasis on experimental investigative activities in the area of ​​Exact Sciences. The focus of the qualitative study is to socialize and discuss the participants' conceptions about the nature of science and experimental activities. Based on the analysis of the responses to the questionnaire, it is possible to show a non-constructivist view of teachers about science and that they rarely propose experimental activities in their classes, mainly due to insecurity. They admit their limitation in relation to the insertion of new teaching practices in this area, declare that they have never participated in a training course about science teaching, and report a preference for participating in training where practical activities are proposed, which can be taken to the classroom. Furthermore, the experimental activities when proposed, generally aim to test or transmit knowledge related to the biological context. Such aspects may be related to the participants' mistaken understanding of the nature of science.

Resumen (es)

  • Este texto tiene como objetivo presentar un estudio desarrollado a partir de un cuestionario respondido por 33 docentes de Educación Primaria, de un municipio de la región de Vale do Taquari, Rio Grande do Sul. El cuestionario fue la acción inicial de un proceso de formación continua, con énfasis en actividades de investigación experimental en el área de las Ciencias Exactas. El enfoque cualitativo del estudio es socializar y discutir las concepciones de los participantes sobre la naturaleza de la ciencia y las actividades experimentales. A partir del análisis de las respuestas al cuestionario, es posible evidenciar una visión no constructivista de los docentes sobre ciencias y que pocas veces se proponen actividades experimentales en sus clases, principalmente por inseguridad. Admiten su limitación en relación a la inserción de nuevas prácticas de enseñanza en esta área, declaran que nunca han participado en una formación dirigida a la enseñanza de las Ciencias y refieren una preferencia por participar en formaciones donde se proponen actividades prácticas, que pueden llevarse al aula. Además, cuando se proponen actividades experimentales, generalmente tienen por objetivo probar o transmitir conocimientos relacionados con el contexto biológico. Estos aspectos pueden estar relacionados con la comprensión equivocada de los participantes sobre la naturaleza de la ciencia.

Biografía del autor/a

Geovana kliemann, Universidade do Vale do Taquari - UNIVATES

Doutora em Ensino. Foi bolsista Integral PROSUC/CAPES, Mestre em Ensino de Ciências Exatas (2015) com bolsa do Programa Observatório da Educação, Graduada (2010) em Licenciatura de Ciências Exatas pela Universidade do Vale do Taquari - Univates e Pós-Graduação (2019) em Supervisão e Orientação Educacional pela Faculdade de Educação São Luís. Suas pesquisas estão direcionadas aos seguintes temas: Atividades Experimentais Investigativas, Concepção sobre a Natureza de Ciência, Resolução de Problemas e Formação continuada de Professores - Mentoring. Tem experiência como professora de Matemática, Física e Química na Educação Básica. Atua como orientadora pedagógica no Sistema Fiergs.

Maria Madalena Dullius, Univates

Licenciada em Matemática pela Fundação Alto Taquari de Ensino Superior, Mestre em Matemática Aplicada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Doutora em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade de Burgos-Espanha. Professora Titular da Universidade do Vale do Taquari - Univates, atuando no Mestrado e Doutorado em Ensino de Ciências Exatas (PPGECE) e no Mestrado e Doutorado em Ensino (PPGEnsino). Experiência na área de Matemática, com ênfase em Matemática Aplicada e Ensino de Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: Tecnologias no Ensino, Atividades Experimentais, Resolução de Problemas e Formação de Professores.

Italo Gabriel Neide, Univates

Possui Bacharelado (2004) e Mestrado (2007) em Física e Doutorado em Ciências (ênfase Física Teórica) (2011) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Pós Doutor pela Universität Duisburg-Essen. Desenvolveu colaborações na PUC-Chile, University of New Mexico e Universidade do Algarve. Atualmente é professor da Universidade do Vale do Taquari - Univates, atuando nos cursos de graduação, coordenador do Programa de Pós Graduação em Ensino de Ciências Exatas (nível mestrado e doutorado), revisor ad hoc de periódicos nacionais e internacionais e já ministrou palestras como convidado em congressos no Brasil e no exterior. Tem experiência na área de Física da Matéria Condensada, Modelos Teóricos Computacionais, Ensino de Física e Modelagem Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: Uso de Tecnologias no Ensino de Física, Integração de Atividades Práticas e Computacionais para o Ensino de Física, Modelagem Científica, Aprendizagem Significativa e Design Based Research.

Referencias

ABELL, S.K.; SMITH, D.C. What is science? Preservice elemmentary teacher's conceptions of nature of science. International Journal of Science Education, Inglaterra, vol. 16, n. 4, pp. 475-487. 1994. https://doi.org/10.1080/0950069940160407.

https://doi.org/10.1080/0950069940160407

ARAÚJO, M. S. T. de; ABIB, M. L. V. dos S. Atividades Experimentais no Ensino de Física: Diferentes Enfoques, Diferentes Finalidades. Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, v. 25, n. 2, pp. 176-194. 2003. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbef/v25n2/a07v25n2.pdf >. Acesso em: 22 set. 2020.

https://doi.org/10.1590/S1806-11172003000200007

BASSOLI, F. Atividades práticas e o ensino-aprendizagem de ciência(s): mitos, tendências e distorções. Ciência Educação, Bauru, v. 20, n. 3, pp. 579-593. 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v20n3/1516-7313-ciedu-20-03-0579.pdf >. Acesso em: 22 jul. 2020.

https://doi.org/10.1590/1516-73132014000300005

BASTOS, F. História da ciência e ensino de biologia: a pesquisa médica sobre a febre amarela. 212 f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Traduzido por: ALVAREZ, M. J.; SANTOS, S. B.; BAPTISTA, T. M. Porto Editora, Porto: Portugal, 1994.

BORGES, R. M. R. Repensando o Ensino de Ciências. In: MORAES, R. (Org.). Construtivismo e ensino de ciências: reflexões epistemológicas e metodológicas. 3. ed. EDIPUCRS. Porto Alegre: Brasil, 2008. pp. 209-230.

BORGES, R. M. R. Em debate: cientificidade e educação em ciências. SE/CECIRS, Porto Alegre: Brasil, 1996.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_20dez_site.pdf. Acesso em: 22 de ago. 2020.

BRICCIA, V. Sobre a natureza da ciência e o ensino. In: CARVALHO, A. M. P de. (Org.). Ensino de Ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. Cengage Learning. São Paulo: Brasil, 2016. pp. 111-127.

BRICKHOUSE, W. Teacher's beliefs about the nature of Science and their relationship to classroom practice. Journal os Teacher Education, v. 41, n. 3, pp. 53-62. 1989.

https://doi.org/10.1177/002248719004100307

CARVALHO, A. M. P de; et al. Ciências no Ensino Fundamental: O conhecimento físico. 1. ed. Scipione. São Paulo: Brasil, 1998.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. 6. ed. Ijuí. Unijuí: Brasil, 2014.

CHAUÍ, M. Convite a Filosofia. Ed. Ática, São Paulo: Brasil, 2000.

GASPAR, A; MONTEIRO, I. C de C. Atividades experimentais de demonstrações em sala de aula: uma análise segundo o referencial da teoria de Vygotsky. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 10, n. 2, pp. 227-254. 2005.

HARRES, J. B. S. Uma revisão de pesquisas nas concepções de professores sobre a natureza da ciência e suas implicações para o ensino. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 4, n. 3, pp. 197-211. 1999. Disponível em: < https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/603/pdf>. Acesso em 22 ago. 2020.

LEDERMANN, N. G. Student's and teacher's conceptions of the nature of science: a review of the research. Journal of Research in Science Teaching, vol. 29, n. 4, pp. 331-359. 1992.

https://doi.org/10.1002/tea.3660290404

LORENZATO, S. Para aprender matemática. Autores Associados, 3ª ed. 2010

MALHEIRO, J. M. da S. Atividades experimentais no ensino de ciências: limites e possibilidades. Actio, Curitiba, v. 1, n. 1, pp. 108-127. 2016.

https://doi.org/10.3895/actio.v1n1.4796

MORAES, R.; GALIAZZI, C. Metamorfoses Múltiplas: emergências incertas e inseguras no caminho da análise textual discursiva. MORAES, R.; GALIAZZI, C. Análise textual discursiva. 2ª ed. Ijuí. Unijuí: Brasil, 2013. pp. 163 - 192.

MOREIRA, M.A.; OSTERMANN, F. Sobre o ensino do método científico. Cad.Cat.Ens.Fís., v. 10, n. 2, pp.108-117. 1993. Disponível em: <https://goo.gl/ZWVJ5G> Acesso em: 12 out. 2020.

OLIVEIRA, C. M. A. de. O que se fala e se escreve nas aulas de Ciências? In: CARVALHO, A. M. P de. (org.). Ensino de Ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. Cengage Learning. São Paulo: Brasil, 2016. pp. 63-75.

PAULETTI, F. A pesquisa como princípio educativo no ensino de ciências: concepções e práticas em contextos brasileiros. 133p. Tese do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática. PUCRS, Porto Alegre, 2018.

PIETROCOLA, M. Construção e realidade: o papel do conhecimento físico no entendimento do mundo. In: Ensino de Física: conteúdo, metodologia e epistemologia numa concepção integradora. ed. da UFSC Florianópolis: Brasil, 2001. pp. 9-32.

PIETROCOLA, M. Curiosidade e imaginação os caminhos do conhecimento nas ciências, nas artes e no ensino. In: CARVALHO, A. M. P. de. (Org.). Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática. Cengage Learning. São Paulo: Brasil, 2009. p. 119-134.

ROSA, C. W. da; ROSA, A. B. da; PECATTI, C. Atividades experimentais nas séries iniciais: relato de uma investigação. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias. Vigo, v. 6, n. 2, pp. 263-274. 2007.

ROSA, C. W.; PEREZ, C. A. S.; DRUM, C. Ensino de física nas séries iniciais: concepções da prática docente. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 12 n. 3, pp. 357-368. 2007.

ROSA, C. T. W.; DARROZ, L. M.; MINOSSO, F. B. Alfabetização científica e ensino de ciências nos anos iniciais: concepções e ações dos professores. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, Curitiba, v. 12, n. 1, pp. 182-202, 2019. Disponível em: <https://periodicos.utfpr.edu.br/rbect/article/view/7530>. Acesso em: 2 abr. 2021.

https://doi.org/10.3895/rbect.v12n1.7530

SANTOS, R. J. dos, SASAKI, D. G. G. Uma metodologia de aprendizagem ativa para o ensino de mecânica em educação de jovens e adultos. Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, v. 37, n. 3, pp. 1-9, 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1806-11172015000300506&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 12 out. 2020.

https://doi.org/10.1590/S1806-11173731955

SILVEIRA, L. B. B. et al. Percepções de estudantes dos anos iniciais do ensino fundamental sobre ciências naturais. Revista Góndola, Enseñanza y Aprendizaje de las Ciencias, Bogotá, v. 10, n. 2, pp. 73-87, 2015. doi: 10.14483/udistrital.jour.gdla.2015.v10n2.a5.

https://doi.org/10.14483/10.14483/udistrital.jour.gdla.2015.v10n2.a05

SUART, R. C. Habilidades cognitivas manifestadas por alunos do ensino médio de química em atividades experimentais investigativas. 218 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) - Instituto de Física, Instituto de Química, Faculdade de Educação e Instituto de Biociências. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

TOBIN, K.; MCROBBIE, C.J. Beliefs about the nature of science and the enacted science curriculum. Science & Education, v. 1, n. 6, pp. 355-371. 1997.

https://doi.org/10.1023/A:1008600132359

ZANCUL, M. C. de S. Ensino de Ciências e a Experimentação: Algumas reflexões. In: PAVÃO, A. C.; FREITAS, D. de. (Orgs.). Quanta ciência há no ensino de ciências. EdUFSCar. São Carlos: Brasil, 2011. pp. 63-68.

ZEICHNER, K. M. Formando professores reflexivos para a educação centrada no aluno: possibilidades e contradições. In: BARBOSA, R. L. L. (Org.). Formação de educadores: desafios e perspectivas. Editora UNESP, São Paulo: Brasil, 2003. pp. 35-56. Disponível em: <https://goo.gl/xAXCfe>. Acesso em: 23-10-2020.

ZÔMPERO, A. F. LABURÚ, C. E. Atividades investigativas no ensino de ciências: Aspectos históricos e diferentes abordagens. Revista Ensaio, Belo Horizonte, v.13, n.3, pp. 67-80. 2011.

https://doi.org/10.1590/1983-21172011130305

Cómo citar

APA

kliemann, G., Dullius, M. M., y Neide, I. G. (2022). Concepção de professores dos anos iniciais sobre a natureza da ciência e atividades experimentais. Góndola, Enseñanza y Aprendizaje de las Ciencias, 17(1), 45–58. https://doi.org/10.14483/23464712.17388

ACM

[1]
kliemann, G., Dullius, M.M. y Neide, I.G. 2022. Concepção de professores dos anos iniciais sobre a natureza da ciência e atividades experimentais. Góndola, Enseñanza y Aprendizaje de las Ciencias. 17, 1 (feb. 2022), 45–58. DOI:https://doi.org/10.14483/23464712.17388.

ACS

(1)
kliemann, G.; Dullius, M. M.; Neide, I. G. Concepção de professores dos anos iniciais sobre a natureza da ciência e atividades experimentais. Góndola Enseñ. Aprendiz. Cienc. 2022, 17, 45-58.

ABNT

KLIEMANN, G.; DULLIUS, M. M.; NEIDE, I. G. Concepção de professores dos anos iniciais sobre a natureza da ciência e atividades experimentais. Góndola, Enseñanza y Aprendizaje de las Ciencias, [S. l.], v. 17, n. 1, p. 45–58, 2022. DOI: 10.14483/23464712.17388. Disponível em: https://revistas.udistrital.edu.co/index.php/GDLA/article/view/17388. Acesso em: 9 feb. 2023.

Chicago

kliemann, Geovana, Maria Madalena Dullius, y Italo Gabriel Neide. 2022. «Concepção de professores dos anos iniciais sobre a natureza da ciência e atividades experimentais». Góndola, Enseñanza y Aprendizaje de las Ciencias 17 (1):45-58. https://doi.org/10.14483/23464712.17388.

Harvard

kliemann, G., Dullius, M. M. y Neide, I. G. (2022) «Concepção de professores dos anos iniciais sobre a natureza da ciência e atividades experimentais», Góndola, Enseñanza y Aprendizaje de las Ciencias, 17(1), pp. 45–58. doi: 10.14483/23464712.17388.

IEEE

[1]
G. kliemann, M. M. Dullius, y I. G. Neide, «Concepção de professores dos anos iniciais sobre a natureza da ciência e atividades experimentais», Góndola Enseñ. Aprendiz. Cienc., vol. 17, n.º 1, pp. 45–58, feb. 2022.

MLA

kliemann, G., M. M. Dullius, y I. G. Neide. «Concepção de professores dos anos iniciais sobre a natureza da ciência e atividades experimentais». Góndola, Enseñanza y Aprendizaje de las Ciencias, vol. 17, n.º 1, febrero de 2022, pp. 45-58, doi:10.14483/23464712.17388.

Turabian

kliemann, Geovana, Maria Madalena Dullius, y Italo Gabriel Neide. «Concepção de professores dos anos iniciais sobre a natureza da ciência e atividades experimentais». Góndola, Enseñanza y Aprendizaje de las Ciencias 17, no. 1 (febrero 3, 2022): 45–58. Accedido febrero 9, 2023. https://revistas.udistrital.edu.co/index.php/GDLA/article/view/17388.

Vancouver

1.
kliemann G, Dullius MM, Neide IG. Concepção de professores dos anos iniciais sobre a natureza da ciência e atividades experimentais. Góndola Enseñ. Aprendiz. Cienc. [Internet]. 3 de febrero de 2022 [citado 9 de febrero de 2023];17(1):45-58. Disponible en: https://revistas.udistrital.edu.co/index.php/GDLA/article/view/17388

Descargar cita

Visitas

3

Dimensions


PlumX


Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.