O céu noturno como cenário do tempo: uma possibilidade para o ensino de astronomia

The night sky as weather scenario: a possibility for astronomy education

  • Laryane Alves de Alcântara Universidade Estadual de Feira de Santana
  • Alessandra Alexandre Freixo Universidade Estadual de Feira de Santana - Brasil
Palabras clave: astronomy teaching, mythic narratives, family farm school (en_US)
Palabras clave: ensino de astronomia, narrativas míticas, escola família agrícola (pt_BR)

Resumen (pt_BR)

Buscamos neste trabalho apresentar os resultados de uma estratégia didática para o ensino de astronomia, sob a forma de oficina, desenvolvida junto a estudantes do ensino fundamental de uma Escola Família Agrícola do semiárido baiano, tendo como foco as narrativas míticas das constelações, de modo a avaliar como estas podem contribuir para uma melhor compreensão de noções que envolvem as constelações e estações do ano. Por meio desta oficina, foi possível desenvolver noções importantes sobre as estações do ano e suas relações com as constelações, ampliando os conhecimentos apresentados nos livros didáticos, distantes da realidade dos estudantes. O recurso às narrativas míticas pareceu facilitar a apreensão dos diversos significados conferidos às constelações, até então desconhecidos pelos estudantes.

Resumen (en_US)

In this study, we seek to show the results of a didactic strategy for education in astronomy. In the format of a workshop, this study was developed with elementary school students of a Family Farm School of the Semi-arid region of Bahia, focusing the mythical narratives of the constellations in order to evaluate how these narratives can contribute to a better comprehension of concepts involving the constellations and year seasons. Through this workshop, it was possible to develop important ideas about the seasons and their relations with the constellations, extending the knowledge presented in textbooks, far from the reality of the students. Thus, the use of mythic narratives seemed to facilitate the learning of a diversity of meanings given to the constellations, previously unknown by the students.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Laryane Alves de Alcântara, Universidade Estadual de Feira de Santana
Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Feira de Santana
Alessandra Alexandre Freixo, Universidade Estadual de Feira de Santana - Brasil
Doutora em Ciências Sociais pela UFRRJ, Professora Adjunta do Departamento de Educação da Universidade Estadual de Feira de Santana

Referencias

ALBUQUERQUE, V.; et al. Astronomia e cultura nas pesquisas em ensino de ciências na última Década. SIMPÓSIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM ASTRONOMIA. IN: SIMPÓSIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM ASTRONOMIA, 1, Rio de Janeiro. Anais eletrônicos do I SNEA. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. 2011. Disponível em:<http://snea2011.vitis.uspnet.usp.br/sites/default/files/SNEA2011_TCO29.pdf> Acesso em: 10 abr. 2013.

ARROYO, M. G.; CALDART, R. S.; MOLINA, M. C. (Orgs.). Por uma educação do campo. Vozes. Petrópolis: Brasil, 2004.

BAPTISTA, F. M. C. Educação rural: das experiências à política pública. Editoral Abaré. Brasília: Brasil, 2003.

BECKER, W. R.; STRIEDER, D. M. O uso de simuladores no ensino de astronomia. In: ENCONTRO NACIONAL DE INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO, 2, p. 398, Cascavel. Anais eletrônicos do II ENINED. Universidade Estadual do Oeste do Paraná. 2011.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: ciencias naturais. MEC/SEF. Brasilia. 1998.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CEB n. 32. Diário Oficial da União, Brasília, 5 de agosto de 2002.

CALDART, R. S. A escola do campo em movimento. Currículo sem Fronteiras, Porto Alegre, v. 3, n. 1, p.60-81, 2003.

FERNANDES, Bernardo M., MOLINA, Mônica. C. O campo da educação do campo. 2005. Disponível em: <http://www2.fct.unesp.br/nera/publicacoes/ArtigoMonicaBernardoEC5.pdf>. Acesso em: 13 fev. 2014.

GUHUR, D. M. P.; SILVA, I. M. S. Educação do campo: primeiras aproximações. Roteiro, Joaçaba, v. 34, n. 2, p. 129-144, 2009.

LANGHI, R.; NARDI, R. Dificuldades interpretadas nos discursos de professores dos anos iniciais do ensino fundamental em relação ao ensino da astronomia. Revista Latino-Americana de Educação em Astronomia, São Carlos, n. 2, p. 75-92, 2005. Disponível em: <http://www.relea.ufscar.br/num2/A3%20n2%202005.pdf>. Acesso em: 12 mar. 2013.

LEAL, A. G. A oposição entre o discurso lógico e a narrativa mítica. IN: FÓRUM DE DEBATES EM HISTÓRIA ANTIGA, 9, Rio de Janeiro. Anais eletrônicos. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. 2011. Disponível em: <http://www.nea.uerj.br/Anais/coloquio/aparecidogomes.pdf>. Acesso em: 10 mai. 2013.

LEITE, C. Os professores de ciências e suas formas de pensar astronomia. Revista Latino-Americana de Educação em Astronomia, São Carlos, n. 4, p. 47–68, 2007. Disponível em: <http://www.relea.ufscar.br/num4/A3_n4.pdf>. Acesso em: 10 jun. 2013.

LIMA; E. J. M. A visão do professor de ciências sobre as estações do ano. 120p. Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2006. Disponível em: <http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/2010/ artigos_teses/Ciencias/Dissertacoes/issertdelima.pdf>. Acesso em: 22 mai. 2013.

MUNHOZ, D. P.; STEIN-BARANA, A. C. M.; LEME, C. S. Localizando pedacinhos do céu: constelações em caixas de suco. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v. 29, n. 1, p. 130-144, 2012. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.5007/2175-7941.2012v29n1p130>. Acesso em: 18 mai. 2013.

NOGUEIRA, S. Astronomia: ensino fundamental e médio. MEC. Brasília: Brasil, 2009. (Coleção explorando o ensino v.11).

OLIVEIRA, D. C. A ciência “reencantada”: mito e rito na televisão. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 19, Londrina. Anais eletrônicos. Universidade Estadual de Londrina, 1996. Disponível em: <http://www2.intercom.org.br/navegacaoDetalhe.php?option=trabalho&id=47268>. Acesso em: 13 mai. 2013.

PIETROCOLA, M. Curiosidade e imaginação: os caminhos do conhecimento nas ciências, nas artes e no ensino. In: CARVALHO, A. M. P. de. (Org.). Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática. Pioneira Thomson Learning. São Paulo, Brasil. 2004. p. 119-134.

RIBEIRO, M. Pedagogia da alternância na educação rural/do campo: projetos em disputa. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 34, n. 1, p. 027-045, 2008.

RUDIO, F. V. Introdução ao projeto de pesquisa científica. 32 ed. Vozes. Petrópolis: Brasil, 2004.

SCARINCI, A. L.; PACCA, J. L. A. Um curso de astronomia e as pré-concepcões dos alunos. Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, v. 28, n. 1, p. 89-99, 2006. Disponível em: <http://www.sbfisica.org.br/rbef/pdf/v28_89.pdf>. Acesso em: 24 abr. 2013.

SELLES, S. E.; FERREIRA, M. S. Influências histórico-culturais nas representações sobre as estações do ano em livros didáticos de ciências. Ciência & Educação, Bauru, v. 10, n. 1, p. 101-110, 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v10n1/07.pdf>. Acesso em 18 mai. 2013.

SILVA, L. H. da. Centros familiares de formação por alternância: avanços e perspectivas na construção da educação do campo. Caderno de Pesquisa: Pensamento Educacional, Curitiba, v. 4, n. 8, p. 270-290, 2009.

SILVA, L. H. Educação do Campo e Pedagogia da Alternância. A experiência brasileira. Sísifo. Revista de Ciências da Educação, Lisboa, v. 5, p. 105-112. 2008. Disponível em: <http://sisifo.fpce.ul.pt>. Acesso em: 22 mar. 2014.

SOBREIRA, P. H. A. Cosmografia geográfica: a astronomia no ensino de geografia. 246p. Doutorado em Geografia Física – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8135/tde-21082006-225017/pt-br.php>. Aceso em: 03 jun. 2013.

SOBRINHO, A. A. O Olho e o Céu: Contextualizando o Ensino de Astronomia no Nível Médio. 87p. Mestrado em Ensino de Ciências Naturais e Matemática - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2008. Disponível em: <http://www.ppgecnm.ccet.ufrn.br /publicacoes/publicacao_56.pdf >. Acesso em: 02 jun. 2013.

STELLARIUM. Disponível em < http://www.stellarium.org/pt/>. Acesso: 20 jun. 2013.

TRIPP, D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466, 2005. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ep/v31n3/a09v31n3.pdf>. Acesso em: 17 jun. 2013.

TEIXEIRA, E. S.; BERNARTT, M. L.; TRINDADE, G. A. Estudos sobre Pedagogia da Alternância no Brasil: revisão de literatura e perspectivas para a pesquisa. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 34, n. 2, p. 227-242, 2008.

UNEFAB. União Nacional de Escolas Famílias Agrícolas do Brasil. 2011. Disponível em: <http://www.unefab.org.br/>. Acesso em: 02 Jun. 2011.

VIVEIRO, A. A.; DINIZ, R. E. da S. Atividades de campo no ensino das ciências e na educação ambiental: refletindo sobre as potencialidades desta estratégia na prática escolar. Ciência em Tela, Rio de Janeiro, v. 2 n. 1, 2009. Disponível em: <http://nead.uesc.br/arquivos/Biologia/modulo_6/situacaoes_de_aprendizagem/material_apoio/artigo_atividades_de_campo.pdf>. Acesso em: 20 fev. 2014.

WUENSCHE, C.A. Astronomia Versus Astrologia. Ciência Hoje, São Paulo, v. 43, n. 256, 2009.

Cómo citar
de Alcântara, L. A., & Freixo, A. A. (2016). O céu noturno como cenário do tempo: uma possibilidade para o ensino de astronomia. Góndola, Enseñanza Y Aprendizaje De Las Ciencias (Bogotá, Colombia), 11(1), 70-85. https://doi.org/10.14483/udistrital.jour.gdla.2016.v11n1.a5
Publicado: 2016-01-01
Sección
ARTÍCULOS