O desenvolvimento do argumento e o aprimoramento dos aspectos semânticos e pragmáticos da linguagem oral, mediante o ensino por investigação

The development of argument and improvement of semantic and pragmatic aspects of oral language by investigative

  • Wanessa H. Pickina Silva Suzuki Universidade Norte do Paraná
  • Andreia de Freitas Zompero Universidade Norte do Paraná
Palabras clave: argument, semantic and pragmatic aspects, investigative activity (en_US)
Palabras clave: argumento, aspectos semânticos e pragmáticos, ensino por Investigação (pt_BR)

Resumen (pt_BR)

A linguagem é o mecanismo estruturado que nos permite compartilhar todo o conhecimento que adquirimos no processo ensino e aprendizagem. É por meio dela que os saberes científicos são organizados. A propriedade comunicativa da linguagem é a habilidade mais significativa que permite ao homem relatar, argumentar e ou refutar uma ideia. As estratégias de ensino que visam desenvolver a enculturação científica, aproximando a ciência do cotidiano escolar, apresentam concepções diferenciadas que privilegiam o ensino problematizador. As metodologias investigativas encaminham o aluno a desenvolver habilidades de comunicação, principalmente a argumentação, em uma perspectiva do discurso científico. Sabendo da dificuldade que os estudantes, especificamente, do 7º ano do ensino fundamental da rede estadual de ensino, possuem em compreender determinados conteúdos da disciplina de Ciências, muitas vezes na falta de um referencial concreto, foi escolhido o tema sobre os microrganismos para embasar as atividades investigativas propostas. Portanto, o objetivo deste artigo é identificar e analisar as habilidades comunicativas da linguagem, no que tange a argumentação e seu desenvolvimento, assim como o aprimoramento dos aspectos semânticos e pragmáticos da linguagem oral, mediante o ensino por investigação. Para a organização da atividade de investigação, utilizamos a abordagem do National Reserach Council bem como os pressupostos idealizados por S. Toulmin, referente à estrutura do argumento. As habilidades pragmáticas e semânticas foram referenciadas por meio da teoria dos Atos de fala. Por meio da análise dos dados obtidos, foi possível verificar que alguns alunos, foram beneficiados com esta metodologia, e puderam apropriar-se de conceitos que fundamentaram e contribuíram para a qualidade estrutural do argumento. Além disso, percebemos o aprimoramento dos aspectos semânticos e pragmáticos que emolduraram a comunicação eficiente.

Resumen (en_US)

The Language is the mechanism that allows us to share all the knowledge acquired in the learning and teaching process. Through it the scientific knowledge is arranged. The language’s communicative property is the most meaningful ability which allows man to report, to reason or to refute an idea. The teaching strategies which aim to develop scientific enculturation, bring science closer to the school routine, introducing distinguished conceptions that favour problematic teaching. The investigative methodologies lead the student to develop communication abilities, specially reasoning, in scientific speech perspective. Knowing about this difficulty that the students, specifically the ones of the seventh grade of the primary school of brazil’s state school, have in understanding certain parts of the contents in the subject of Science, most of the times lacking in a concrete referential idea, the theme of microorganisms was chosen to substantiate the investigative activities proposed. Therefore, the goal of this paper is to identify and to analyse the communicative abilities of language, regarding argumentation and its development, as the improvement of semantic and pragmatic aspects of language. To organize this activity of investigation, the approach of the National Research Council was used, as well as the assumption idealized by S. Toulmin, regarding the argument structure. The pragmatic and semantic abilities were referred through the theory of the Speech Acts. Analyzing the obtained data, it was possible to ascertain that some students were benefited with this methodology and were able to absorb concepts that substantiated and contributed to the structural quality of the argument. Besides that, it was realized that the improvement of the semantic and pragmatic aspects framed an efficient communication.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Wanessa H. Pickina Silva Suzuki, Universidade Norte do Paraná
Graduada em Ciências Biológicas e mestre em Ensino de Linguagens e Tecnologias pela Unopar.  Professora da Educação Básica das disciplinas de Ciências e Biologia
Andreia de Freitas Zompero, Universidade Norte do Paraná

Docente do curso de graduação em Ciências Biológicas da Unopar e do Mestrado em Ensino de Linguagens e Tecnologias. 

Mestre e doutora em Ensino de Ciências pela Universidade Estadual de Londrina

Referencias

Azevedo, M. C. P. S. (2004). Ensino por investigação: Problematizando as atividades em sala de aula. In Carvalho, A. M. P. (Orgs.). Ensino de ciências: Unindo a pesquisa e a prática (pp. 19-33). São Paulo: Cengage Learning.

Befi-Lopes, D. M., e Takiuchi, N. (2000, abr.). Avaliação da maturidade simbólica nas alterações do desenvolvimento da linguagem. Jornal Brasileiro de Fonoaudiologia, 1(3), 6-15.

Briccia, V. (2013). Sobre a natureza da Ciência e o ensino. In Carvalho, A. M. P. (Orgs.). Ensino de ciências por investigação: Condições para implementação em sala de aula. (pp. 111-125). São Paulo: Cengage Learning.

Brito, D. B. O. e, Taitson, P. F. (2005). Aquisição e desenvolvimento da linguagem oral. In Britto, A.T.B. (Orgs). Livro de Fonoaudiologia. (pp. 194-196). São José dos Campos: Pulso.

Campos, M. C. C., e Nigro, R. G. (2009). Didática de ciências: O ensino-aprendizagem como investigação. São Paulo: FTD.

Capecchi, M. C. de M., e Carvalho, A. M. P. (2000). Argumentação em uma aula de conhecimento físico com crianças na faixa de oito a dez anos. Investigação em Ensino de Ciências, 5(3), 171-189.

Carvalho, A. M. P. (2007). Habilidades de professores para promover a enculturação científica: Revista Contexto e Educação, 22(77), 25-49.

Carvalho, A. M. P. (2013). O ensino de ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas. In Carvalho, A. M. P. (Orgs.). Ensino de ciências por investigação: Condições para implementação em sala de aula. (pp. 1-19). São Paulo: Cengage Learning.

Coll, C. e Martí, E. (2004). Aprendizagem e desenvolvimento: a concepção genético-cognitiva da aprendizagem. In Coll, C. (Orgs.). Desenvolvimento psicológico e educação: Psicologia da educação escolar. (Vol.2, pp. 25-58). Porto Alegre: Artmed.

Fernandes, F. D. M. (1998). Os atrasos de aquisição de linguagem. In Goldfeld, M. (Org.). Fundamentos em fonoaudiologia: linguagem. (pp. 23-36). Rio de Janeiro: Guanabara-koogan.

Luria, A. R. (1986). Pensamento e linguagem: as últimas conferências de Luria. Porto Alegre: Artmed.

Munford, D., e Lima, M. E . C. C. (2007). Ensinar ciências por

investigação: Em que estamos de acordo? Revista Ensaio, 9(1), 72-89.

Nascimento, S. S., e Vieira, R. D. (2008). Contribuições e limites do padrão de argumento de Toulmin aplicado em situações argumentativas de sala de aula de ciências. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 8(2), 1-20.

Olson, S., & Loucks-Horsley, S. (2000). Inquiry and the National Science Education Standards: A guide for teaching and learning. Washington: National Research Council.

Pires de Oliveira, R. (2001). Semântica. In Mussalim, F. e Bentes, A. C. (Orgs). Introdução à linguística 2: domínios e fronteiras. (pp. 17-42). São Paulo: Cortez.

Sasseron, L. H. (2013). Interações discursivas e investigação em sala de aula: O papel do professor. In Carvalho, A. M. P. (Orgs.). Ensino de ciências por investigação: Condições para implementação em sala de aula. (pp. 41-60). São Paulo: Cengage Learning.

Sasseron, L. H. (2008). Alfabetização científica no ensino fundamental – Estrutura e indicadores deste processo em sala de aula. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Shaffer, D. R., e Kipp, K. (2012). Psicologia do desenvolvimento: Infância e adolescência. São Paulo: Cengage Learning.

Sternberg, R. J. (2013). Linguagem no contexto. In Stemberg, R. J. Psicologia cognitiva. (pp. 360-365). Porto Alegre: Artmed.

Suart, R. C., e Marcondes, M. E. R. (2009, nov.). A argumentação em uma atividade experimental investigativa no ensino médio de química. Trabalho apresentado no Sétimo Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, ENPEC, Florianópolis. Disponível em: posgrad.fae.ufmg.br/posgrad/viienpec/pdfs/222.pdf.

Suzuki, W. H. P. S. (2016). O desenvolvimento do argumento e o aprimoramento dos aspectos semânticos e pragmáticos da linguagem oral, mediante o ensino por investigação. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Metodologias para o Ensino de Linguagens e suas Tecnologias). Universidade Norte do Paraná, Londrina.

Toulmin, S. (2006). Os usos do argumento. São Paulo: Martins Fontes.

Valle, M. G., e Motokane, M. T. (2009, nov.). A argumentação na produção escrita de professores de Ciências e o ensino de genética. Trabalho apresentado no Sétimo Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, ENPEC, Florianópolis. Disponível em: posgrad.fae.ufmg.br/posgrad/viienpec/pdfs/527.pdf.

Vygotsky, L. S. (2000). A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes.

Zompero, A. F, Sampaio, H. R., Laburú, C. E., e Gonçalves, C. E . S. (2014). Atividades investigativas na perspectiva da teoria da aprendizagem significativa: Uma aplicação no ensino fundamental com a utilização de tabelas nutricionais. Revista Góndola Enseñanza y Aprendizaje de las Ciencias, 9(2) 10-21.

Zompero, A. F.; Laburu, C.E (2014) Significados de fotossíntese produzidos por alunos do ensino fundamental a partir de conexões estabelecidas entre atividade investigativa e multimodos de representação. REEC. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 13, p. 242-266.

Cómo citar
Suzuki, W. H. P. S., & Zompero, A. de F. (2016). O desenvolvimento do argumento e o aprimoramento dos aspectos semânticos e pragmáticos da linguagem oral, mediante o ensino por investigação. Góndola, enseñanza Y Aprendizaje De Las Ciencias, 11(1), 100-116. https://doi.org/10.14483/udistrital.jour.gdla.2016.v11n1.a7
Publicado: 2016-01-01
Sección
ARTÍCULOS